Coluna

Ricardo Feltrin

Inocentado em caso da "máfia dos shows", Zeca Pagodinho se diz perplexo

Marcelo Tabach
Zeca Pagodinho condenado, e agora inocentado pela Justiça Federal do Distrito Federal Imagem: Marcelo Tabach
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

04/11/2016 15h18Atualizada em 04/11/2016 15h33

O sambista Zeca Pagodinho, 57 anos, afirmou nesta tarde que está “ perplexo, indignado e revoltado” após decisão da Justiça do DF, que o inocentou de qualquer irregularidade em um caso da chamada “máfia dos shows públicos”.

O caso começou em 2008, com a contratação de um show do cantor num evento no Distrito Federal, pago com dinheiro público.

Zeca teria recebido R$ 170 mil pelo show, mas num momento em que a polícia e a Receita passaram a investigar esse e outros eventos públicos, e ele acabou envolvido.

Em muitos casos país afora foram descobertas supostas irregularidades e crimes fiscais, e os casos estão sendo investigados

Veja como funciona um dos esquemas da máfia dos shows públicos

Zeca acabou sendo condenado em 2015 com todos os demais envolvidos, apesar de ter apresentado todos os documentos e declarações de IR comprovando que o pagamento fora regular. O pedido para condená-lo foi feito pelo Ministério Público.

Nos autos, a juíza Ana Cláudia Barreto usou entre outros  argumentos o fato de que Zeca não deveria ter sido contratado por não ser um músico da região

“Isso foi pura implicância com um sambista. Eu nunca fiz nada de errado, mas quem é que vai dar ibope se for acusado de alguma coisa? O Zeca, né?, declarou.

Zeca afirma que não vai tomar nenhuma medida judicial agora, como uma eventual ação contra os poderes públicos por danos morais, materiais e de imagem.

“Não vou fazer nada, querido. Vai adiantar fazer alguma coisa? Eu vou receber tudo que gastei com advogados? E os danos à minha história? Vou receber  depois que estiver morto? Obrigado, quero viver.”

twitter - @feltrinoficial

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Topo