Coluna

Ricardo Feltrin

"A Lei do Amor" atrai menos pontos e TVs ligadas que "Velho Chico" em SP

Reprodução/UOL
A novelista e escritora Maria Adelaide Amaral, autora de "A Lei do Amor", da Globo Imagem: Reprodução/UOL
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

13/11/2016 12h55Atualizada em 13/11/2016 12h55

Na comparação dos 34 primeiros capítulos das últimas novelas da Globo às 21h30, “A Lei do Amor” tem menos pontos e alcance que “Velho Chico”, segundo dados consolidados de audiência da Kantar Ibope.

“A Lei do Amor” tem até agora 36,9% de share; ou seja, é sintonizada por praticamente 37 em cada 100 TVs ligadas. Isso é bem menos que “Velho Chico” (42,2%), “A Regra do Jogo” (37,8%) e “Babilônia” (39,1%).

Em pontos, porém, a novela de Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari está com 26,1 pontos na Grande São Paulo (onde cada ponto vale por 69 mil domicílios), o que não é nada mau.

Sim, é menos também que “Velho Chico” (29,0), mas está acima de “A Regra” e “Babilônia” (ambas com 25,2 potnos).

Para o crítico Nilson Xavier, do UOL, “A Lei do Amor” vem pecando por ser confusa, ter personagens demais e pouco romance.

twitter - @feltrinoficial

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Topo