Coluna

Ricardo Feltrin

Ibope de Sabrina Sato no país cresceu 17% desde estreia em 2014

Antônio Chahestian/Divulgação/Record
Sabrina Sato vai muito bem aos sábados à noite na Record Imagem: Antônio Chahestian/Divulgação/Record
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

17/12/2016 14h01

O “Programa da Sabrina” cresceu 17% em audiência nas 15 principais regiões metropolitanas do país capturadas pela Kantar Ibope.

Em 2014, quando chegou à Record, a apresentadora obteve média de 5,3 pontos e uma participação no universo de TVs ligadas de 9,8% (ou seja, de cada 100 TVs ligadas, 10 estavam sintonizadas na atração.

Neste ano, a média de Sabrina no Brasil está em 6,2 pontos e 10,7% de share.

Sabrina também cresceu em audiência pela segunda vez na média anual: no ano passado a média foi de 5,8 pontos, enquanto que em 2016 ela deve fechar em 6,2 pontos.

Cada ponto no PNT (Painel Nacional de Televisão) equivale a 69 mil domicílios sintonizados na Grande São Paulo.

SÃO PAULO

Na Grande São Paulo Sabrina, 35 anos, teve um crescimento mais modesto desde 2014, mas ainda assim é de 10%.

Ela mantém um público fixo em torno de 12% das TVs ligadas na região.

Do ponto de vista comercial, a ex-BBB e ex-integrante do "Pânico" é um sucesso e está entre os maiores faturamentos da emissora.

Embora a emissora não revele --tampouco Sabrina-- especula-se que ela ganhe mais de R$ 500 mil apenas entre salários e merchandising na tela da Record. Isso sem contar o que fatura com seus próprios produtos, no mercado publicitário individual e presença em eventos.

@feltrinoficial

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Topo