Coluna

Ricardo Feltrin

Após 23ª cirurgia, João Carlos Martins fará novo concerto só com 4 dedos

Bianca Tatamiya
Apresentação da Bachiana Filarmônica Sesi SP, sob o comando do maestro João Carlos Martins Imagem: Bianca Tatamiya
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

06/01/2017 17h58Atualizada em 11/01/2017 13h50

O maestro João Carlos Martins, 73 anos, se recupera bem após complexa cirurgia na qual se submeteu esta semana no hospital Sírio Libanês, para tentar recuperar movimentos da mão e do braço esquerdos.

Foi a 23ª intervenção cirúrgica que Martins sofreu nos últimos  50 anos. Todas tiveram como objetivo auxiliar movimentos nas mãos do músico e pianista, afetadas por graves acidentes, síndromes e ainda uma agressão sofrida na cabeça nos anos 90, durante um assalto, na Bulgária.

Mesmo ainda em recuperação, o maestro já confirmou sua próxima apresentação: dia 2 de fevereiro ao lado de outro lendário pianista brasileiro, Arthur Moreira Lima, no Citibank Hall, em São Paulo.

"Eu vou tocar (com Moreira Lima) nem que seja usando só o dedão", disse bem-humorado o maestro à coluna nesta sexta-feira.

Na verdade, no caso dele, a recuperação, por mais bem-sucedida que seja, é ínfima: para o concerto dia 2 ele conseguirá usar no máximo quatro dedos: o polegar da mão direita, e mais polegar, indicador e anular da mão esquerda.

A mão direita do maestro já é "caso perdido" há décadas. Todos os dedos se deformaram.

Tudo começou  após um acidente (queda) em meados dos anos 60. As coisas foram piorando. Hoje, ele ainda consegue "manobrar" o braço direito de forma a usar ao menos o polegar durante alguma música simples ao piano.

Já os dedos da mão esquerda também estavam quase fechados até antes da operação desta semana, devido a uma grave síndrome. A intervenção permitiu que ao menos três deles voltassem a se mover.

"Uma coisa pelo menos a cirurgia já resolveu: eliminou 70% da dor que eu sentia antes dela", declarou. 

Apesar de já há anos não ter mais condições de executar concertos, João Carlos Martins nunca quis se separar de seu instrumento.

Porém, foi justamente a frustração devido a seus problemas como pianista que o levou a estudar regência.

Hoje, à frente da Orquestra Bachiana-Sesi, já se apresentou para cerca de 14 milhões de pessoas.

Seja ainda com os dedos  tortos sobre as teclas, ou segurando a batuta com auxílio de velcros, como ele sempre repete: “No fim das contas a música venceu”.

@feltrinoficial

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Topo