Coluna

Ricardo Feltrin

Após campanha, pastor Valdemiro obtém de fiéis R$ 8 milhões para bancar TV

Isadora Brant/Folhapress
Imagem: Isadora Brant/Folhapress
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

21/01/2017 12h10

Além de ter sobrevivido a uma tentativa de assassinato o pastor Valdemiro Santiago, da Igreja Mundial, conseguiu outros dois "milagres" só neste mês: os templos voltaram a ficar lotados e ele já obteve os R$ 8 milhões que pediu aos fiéis para bancar um mês de seu canal, a Rede Mundial.

Conforme esta coluna antecipou, Valdemiro iniciou a campanha de doação para a TV logo após ter alta do ataque sofrido de um fiel, que o atingiu a golpes de facão.

Em um dos programas de seu canal 32.1 UHF (também presente na Net no canal 25), Valdemiro pediu que 8.000 de seus seguidores aceitassem o "desafio" de doar R$ 1.000 para ajudar na tele-evangelização.

Segundo esta coluna apurou, na semana passada a meta já havia sido não só alcançada, mas superada.

Segundo o pastor, R$ 8 milhões seria o custo mensal para bancar a emissora por cerca de um mês, mas provavelmente esse valor deve cobrir também as operações das muitas rádios que a Mundial tem espalhadas pelo país.

Outro "milagre" relatado por fontes da igreja à coluna é que, após o ataque, os templos da Mundial voltaram a ficar lotados como ocorria cerca de cinco anos atrás..

Não há dados exatos sobre o número de fiéis da igreja de Valdemiro Santiago. A última mensuração oficial (do IBGE) data de 2010 e apontava então 315 mil fiéis.

Porém, esse número certamente é muito maior, já que há muitos evangélicos que se recusam a dizer que linha seguem. A igreja está instalada em cerca de 20 países.

Ataques

Em março de 2012, auge da expansão da Mundial, Valdemiro foi duramente atingido por uma reportagem-denúncia da Record ("Domingo Espetacular"), que o acusou de desviar dinheiro de dízimo para compra de bens particulares, inclusive uma enorme fazenda com milhares de cabeças de gado.

A denúncia gerou uma investigação múltipla de promotores, procuradores, polícia e, o pior, da Receita Federal, que o autuou. Nos meses seguintes, Valdemiro ainda sofreria outro tipo de ataque --dessa vez da Igreja Universal.

Emissários de Edir Macedo iniciaram um agressivo processo de compra de horários em emissoras abertas, pagando valores bem maiores que os da Mundial. Com isso, a igreja de Valdemiro acabou sendo "expulsa" dos grandes canais.

Ao mesmo tempo, após a denúncia, muitos fiéis desconfiados abandonaram as fileiras de Valdemiro e muitos templos foram fechados (a igreja estima ter cerca de 5.000 deles).

Com o violento ataque sofrido a facão no início do mês, a situação se reverteu e a igreja voltou a atrair seguidores, segundo esta coluna apurou.

Na última quarta-feira, em mais um caso envolvendo o religioso, ele foi resgatado de um barco que estava à deriva no litoral de São Paulo, após pane elétrica.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Topo