Coluna

Ricardo Feltrin

Exclusivo: Contra operadoras, Record, SBT e RedeTV! negociam com Netflix

iStock
Imagem: iStock
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

26/01/2017 15h50Atualizada em 26/01/2017 18h43

A Simba, empresa formada com a participação de SBT, Record e RedeTV iniciou negociações com o Netflix. O objetivo da negociação é que as três emissoras passem a fornecer seus conteúdos próprios  para o serviço de streaming.

O objetivo da Simba é contrapor as operadoras de TV por assinatura, que se recusam a remunerar os três canais por seu sinal HD, que são incluídos em pacotes de TV paga. 

Se o acordo vingar, o Netflix poderia dispor e remunerar SBT, Record e RedeTV! por programas como novelas, produtos jornalísticos, materiais especiais e linha de shows, entre outros.

Filmes estrangeiros e reality shows cujos formatos pertencem a terceiros ficariam de fora desse conteúdo.

A tática da Simba faz dela uma nova  aliada do Netflix, uma das empresas mais “combatidas” pelas operadoras, que a acusam de usar e ocupar banda larga demais com streamings de filmes e seriados e não pagar nada por isso.

Nos bastidores, há meses as operadoras vêm manobrando junto ao governo porque querem cobrar dos assinantes pelo uso excessivo da rede.

As operadoras também tentaram de todas as formas possíveis e legais impedir a criação da pessoa jurídica chamada Simba. Sem sucesso, porém.

Desde 2015 as operadoras perderam quase 1 milhão de assinantes no país, e o serviço de streaming tem sido apontado como um dos bodes expiatórios da retração do mercado.

AMAZON TAMBÉM

A Simba também já decidiu que vai negociar da mesma forma com outros serviços de streaming  como a Amazon, concorrente do Netflix.

@feltrinoficial

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Topo