Coluna

Ricardo Feltrin

Em 3 anos, Record entrelaça mais de 3.000 anos de história (bíblica)

Antonio Chahestian/Rede Record
Marcelo Silva, vice-presidente artístico da Record, em evento na Record, em SP Imagem: Antonio Chahestian/Rede Record
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

08/03/2017 07h21Atualizada em 08/03/2017 13h42

Quando estiver encerrando a novela “Apocalipse”, provavelmente no primeiro semestre de 2018, a Record estará fechando um ciclo de pouco mais de 3 anos de novelas bíblicas encadeadas e entrelaçadas historicamente (segundo a Bíblia, obviamente).

"Apocalipse" será a continuação de "O Rico e Lázaro", que estreia na próxima segunda na Record.

 Na verdade, nesses três anos a emissora terá condensado de 3.200 a 3.500 anos de história judaico cristã, que começaria com Moisés (por volta de 1.500 a.C.) e terminaria com o Juízo Final, que supostamente ocorreria (segundo a novela “Apocalipse”) nos próximos 20 a 30 anos.

A saga épica e bíblica da emissora começou em março de 2015, com a primeira fase de “Os Dez Mandamentos” (que também virou longa metragem). A segunda fase dessa trama ocorreu de abril a julho do ano passado.

“Dez Mandamentos - Parte 2” foi sucedida por “A Terra Prometida”, que por sua vez agora será substituída por “O Rico e Lázaro”, para então fechar o ciclo com “Apocalipse”.

“Já pensou se o mundo acabar durante a novela?”, brincou o vice-presidente da Record ontem durante o lançamento de “O Rico e Lázaro”, no Rio de Janeiro.

Quem sabe? ;)

Twitter - @feltrinoficial
Facebook: Feltrino - Ooops

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Topo