Coluna

Ricardo Feltrin

Atualizada em 15.03.2017 19h05

Após 12 anos, maestro João Carlos Martins muda orquestra para o Municipal

Divulgação
João Carlos Martins abre a nova temporada da Bahiana Filarmônica em nova casa: o Municipal de SP Imagem: Divulgação
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

Estreia no próximo dia 29 a temporada 2017 da Bachiana Filarmônica Sesi, regida pelo maestro João Carlos Martins, 76 anos.

A novidade é que pela primeira vez a orquestra não fará sua temporada na Sala São Paulo, e sim no Theatro Municipal.

Esse é o novo endereço da Bachiana de Martins e seus músicos

“Estou voltando ao Municipal, que é onde comecei minha carreira, ainda criança”, afirma o maestro. 

Ele se refere à sua primeira apresentação no teatro, quando tinha apenas 12 anos --já então um pianista virtuoso reconhecido nacionalmente. Ele se apresentou ali até os 20 anos.

No dia 29, às 20h, a Bachiana Filarmônica tocará três peças: o dificílimo “Concerto Para Violino em Ré Maior” de Tchaikovsky (interpretado pelo prodígio Lucas Farias, 17 anos); a famosa “Quinta Sinfonia" e o concerto “Imperador”, ambos de Beethoven 

No início do ano, o maestro se submeteu à 23ª cirurgia de sua vida, para reparar problemas crônicos em sua mão esquerda.

A mão direita é irrecuperável. Por isso ele trocou as teclas pela regência.

Martins deixa a Sala São Paulo, que abrigou a Bachiana nos últimos 12 anos. O aluguel era por volta de R$ 70 mil.

No Theatro Municipal o pagamento será feito por meio de permuta (concertos feitos = aluguéis pagos)

A orquestra, ou Fundação Bachiana, foi criada em 2006 e é uma instituição sem fins lucrativos, com apoio do Sesi (Serviço Social da Indústria).

Twitter e Facebook: @feltrinoficial

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Topo