Coluna

Ricardo Feltrin

Atualizada em 16.03.2017 10h40

"Josue y La Tierra Prometida" vira a maior audiência da TV argentina

Munir Chatack/Record
Samara (Paloma Bernardi) é sequestrada em "A Terra Prometida" Imagem: Munir Chatack/Record
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

A novela bíblica “A Terra Prometida”, da Record, se tornou o programa mais visto da TV argentina, superando inclusive o futebol.

“Josue y La Tierra Prometida”, como foi batizada no país vizinho, vem registrando 14 pontos de média, dando ao canal Telefe o pico de ibope da TV argentina. Cada ponto de audiência portenho equivale a cerca de 100 mil telespectadores. Para comparação, em São Paulo cada ponto abrange 232 mil telespectadores.

A novela bíblica também vem dando excelentes resultados em sua reprise às tardes.

Na última segunda-feira, por exemplo, fechou em primeiro lugar também com média de 8,3 pontos, contra 8,2 do canal El Trece (Clarín).

“Terra Prometida” vai bem, mas não tão bem quanto suas antecessoras bíblicas, “Dez Mandamentos”, parte 1 e 2.

Estas duas chegavam a bater os 16 pontos de média na Argentina.

O longa "Os Dez Mandamentos" também tem ido bem nos cinemas ldaquele país, com mais de 400 mil ingressos vendidos em quatro semanas.

Facebook e twitter: @feltrinoficial

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Topo