Coluna

Ricardo Feltrin

Opinião: Após laudo da Aeronáutica, Geraldo Luís deve desculpas a Huck

Raphael Castello/AgNews
25.mai.2015 - Após acidente aéreo, Angélica e Luciano Huck deixam hospital em São Paulo e conversam com a imprensa Imagem: Raphael Castello/AgNews
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

23/04/2017 07h57Atualizada em 24/04/2017 11h13

Dois anos após o acidente aéreo que quase matou Luciano Huck e sua família (e duas  babás), o laudo da Aeronáutica divulgado na semana passada concluiu que o incidente ocorrido em maio de 2015 foi  causado por pane seca, em uma combinação de falha mecânica e despreparo da tripulação.

O avião não devia nem sequer ter levantado voo, indica o laudo.

Embora as 9 pessoas da aeronave tenham se salvado sem ferimentos graves após o pouso de emergência em uma área rural no Mato Grosso do Sul, o resultado final da investigação deveria causar constrangimento em algumas celebridades da TV, como Geraldo Luís, da Record.

Reportagem exibida no ano passado em seu “Domingo Show” abusou do sensacionalismo.

Geraldo enalteceu e tratou o piloto como herói.

Sem dúvida, o pouso até merece elogios, mas a atuação de Osmar Frattini foi considerada falha pela Aeronáutica, que comprovou que ele e seu co-piloto não tinham treinamento adequado para pilotar aquele tipo de avião.

O laudo também indica que ele não seguiu procedimentos de emergência e desconsiderou informações sobre problemas na aeronave. O avião não deveria nem sequer ter decolado.

Além de elogiar o piloto, Geraldo Luís só faltou mesmo responsabilizar Huck e Angélica pelo acidente.

Ainda acusou o colega da Globo de ter “abandonado” o piloto, que estaria então em dificuldades financeiras, embora ele fosse funcionário da MS Táxi Aéreo --empresa que foi contratada por Huck.

“Era para os seus filhos estarem mortos. Era pra Angélica estar morta. Era pra você estar morto”, disse Geraldo em “recado” a Huck em rede nacional, após reportagem de mais de 30 minutos.

“Tapinha nas costas e panetone são muito pouco”, continuou o apresentador da Record, dando vazão a boatos de que Huck dera apenas um bolo de Natal ao piloto que salvara sua vida e a de sua família. Huck o abandonara à míngua, pregou o apresentador da Record.

Sem nenhuma base jornalística, sem nenhum trabalho sério de uma equipe de investigação, sem qualquer conhecimento de aviação (segundo esta coluna apurou) Geraldo Luís fez o papel de “juiz” em um  caso que nunca teve a menor condição de julgar.

Em busca do ibope fácil, do sensacionalismo e do popularesco, acabou impondo a uma das vítimas o papel de culpado.

Agora, com o laudo divulgado pelos peritos do Centro de Prevenção de Acidentes Aéreos, todos souberam o que houve de fato.

Após 35 minutos de voo, o avião começou a cair porque na asa esquerda havia apenas metade d combustível que deveria ter lá.

Também havia um equipamento instalado incorretamente, que enviava informações erradas à tripulação, que, caso soubesse, poderia ter transferido combustível da outra asa.

Pior: o laudo indica que antes da decolagem o piloto percebeu que havia algo fora de funcionamento (embandeiramento), mas decolou assim mesmo. Enfim, foi um conjunto de falhas, erros e omissões que só não viraram tragédia pelo fator sorte.

“Porque o que eu tenho de falar eu falo”, completou Geraldo, arrogando-se na posição de telejusticeiro.

Pois Geraldo Luís agora tem o que falar. Pedir desculpas à família de Luciano Huck e ao telespectador em rede nacional, por exemplo.

Procurada para comentar o caso, a Record não se pronunciou.

A defesa do piloto não foi localizada pela reportagem até a publicação deste texto.

@feltrinoficial

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Topo