Coluna

Ricardo Feltrin

TVs abertas caem, mas já recuperam ibope após corte de sinais da TV paga

Lourival Ribeiro/Divulgação/SBT
TV de Silvio Santos é a que menos foi afetada pelo corte de seu sinal em SP na TV por assinatura Imagem: Lourival Ribeiro/Divulgação/SBT
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

27/04/2017 07h02Atualizada em 27/04/2017 14h14

A má notícia já foi antecipada nesta coluna dias atrás: com o corte dos sinais digitais das maiores operadoras na Grande São Paulo, as TVs Record, SBT e RedeTV! desabaram no ibope em abril, na comparação com o mês anterior.

A boa notícia: essa perda já está se revertendo em várias faixas horárias e já é até 50% menor hoje do que nos primeiros dias após o “apagão”.

Ou seja, isso indica que o público dessas três emissoras está dando um jeito de voltar a vê-las (seja pela antena do prédio ou pela compra de caixinhas digitais etc.).

Para rememorar: SBT, Record e RedeTV!, por meio da empresa Simba, brigaram com as operadoras porque reivindicam ser remuneradas pela cessão de seus sinais. As operadoras, obviamente, se recusam a pagar por sinais que sempre distribuíram gratuitamente.

Com o impasse, o sinal das três foi cortado de Net e Sky em 29 de março. A audiência de todas caiu, como esta coluna já havia antecipado que ocorreria em 22 de março.

Na Grande São Paulo, na média mensal, Record, SBT e RedeTV! fecharão abril com cerca de  20% menos audiência (média  24 horas, na comparação com março pré-apagão).

Em uma outra comparação, porém, os dados melhoraram para os canais da Simba: na primeira terça-feira após o corte do sinal, a Record perdeu  35% de audiência. Na terça-feira desta semana, no entanto, essa queda era de 17% (24 horas).

Nas novelas em horário nobre, por exemplo, a Record está registrando hoje apenas  10% a menos do que dava antes do corte do sinal nas operadoras.

O SBT também se recupera de forma rápida: da perda de 20% de público na primeira terça-feira pós-apagão, a queda anteontem foi de apenas 4%.

A coluna escolheu uma terça-feira por ser um dia “neutro” e comum para as emissoras nos dois meses comparados.

O que é curioso é que, com a saída de Record, SBT e RedeTV!, os demais canais abertos também não tiveram ganho muito expressivo.

Vá lá, a Band até cresceu cerca de 10% (passou de 1,9 ponto para 2,1); e a Globo também oscilou positivamente, de 13,3 em março para 13,6 pontos (cada ponto na Grande SP) vale por 70,5 mil domicílios).

Mas é muito pouco diante do impacto da saída de três concorrentes abertos.

TV PAGA GANHA

Quem mais ganhou em abril foi a TV por assinatura. A audiência dos canais exclusivamente pagos cresceu na média mês cerca de 15%.

Porém, novamente comparando a primeira terça pós-corte com a última terça, esse crescimento nas 24 horas do dia está na casa de apenas 6%.

Em outras palavras, isso indica que num primeiro momento o assinante que perdeu os canais abertos migrou para os pagos. Só que tudo indica agora ele está indo embora de lá também e migrando para outro lazer.

@feltrinoficial

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Topo