Coluna

Ricardo Feltrin

Após assédio e "quarentena", Globo prepara volta de Zé Mayer às novelas

Reprodução/Instagram
Paulo Cintura encontra José Mayer em posto do Detran no Rio de Janeiro Imagem: Reprodução/Instagram
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

06/08/2017 07h11Atualizada em 07/08/2017 08h23

A “quarentena” de Zé Mayer após um rumoroso caso de assédio nos bastidores da Globo já tem data para acabar.

O ator de 67 anos já está sendo sondado para entrar em novas produções da dramaturgia da emissora em 2018.

Um dos primeiros a estender a mão ao ator foi o novelista Aguinaldo Silva.

Aguinaldo já havia escalado Mayer para a novela “O Sétimo Guardião”, e, ao contrário de boa parte da emissora que atacou o ator, manteve o convite mesmo depois do caso.

A novela, que deveria entrar no ar este ano, foi adiada possivelmente para 2018.

Se Mayer ainda quiser ele ainda poderá até fazer parte do elenco --isso se a novela não for cancelada em definitivo.

Mas há outras possibilidades em estudo para Mayer.

Figurinha carimbada em novelas das 21h30, o ator poderia voltar em 2018 na faixa das 19h, na substituta de “Anos Incríveis” (estreia prevista para setembro), um horário com trama mais leve.

Outra possibilidade seria uma volta aos poucos para evitar superexposição. Por exemplo, recomeçando com um papel menor, uma participação em alguma minissérie, mas não como protagonista; e assim por diante.

Na madrugada deste domingo (6), José Mayer Drumond Araujo foi o homenageado na série "Grandes Atores", exibida pelo canal Viva (Globosat).

O CASO DO ASSÉDIO

Recapitulando: Mayer foi acusado de assédio sexual pela figurinista Su Tonani. A profissional fez a denúncia no blog “Agora É Que São Elas”, da "Folha", em março do ano passado.

Ela também fez queixa junto ao departamento de RH da emissora, mas não levou o caso à frente na esfera policial ou judicial.

Atrizes e outras profissionais da casa saíram em defesa da figurinista e apoiaram sua denúncia. Outros atores saíram em defesa dele.

Primeiro Mayer negou a denúncia, mas depois acabou divulgando uma carta em que reconhecia os erros.

Até hoje há rumores de que não foi ele quem redigiu a carta, e sim a Globo, e que ele foi obrigado a assiná-la..

Segundo esta coluna apurou, a emissora considera que o caso já está encerrado e que o ator sofreu punição suficiente.

A coluna tentou contatar o ator, por meio de sua assessoria de imprensa, mas foi informada que ele não comenta o assunto.

Zé Mayer ressurgiu em público na última sexta-feira em foto postada no Instagram do humorista Paulo Cintura. Os dois se encontraram por acaso no Detran na Barra da Tijuca, no Rio.

Segundo o humorista e ex-integrante da “Escolinha do Professor Raimundo”, mulheres presentes no Detran fizeram fila para tirar fotos com o ator temporariamente proscrito da Globo.

Leia também

"Força do Querer" vai bem no ibope, mas ainda está longe de recordes

Stycer: Grande acerto de Gloria Perez, Ivana exige benevolência do público

Colunista no Twitter, no Facebook ou no site Ooops!

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Topo