Coluna

Ricardo Feltrin

Rescisão de Evaristo Costa e Globo tem impasse; jornalista aciona advogados

Reprodução/TV Globo
Evaristo Costa, que deixou a Globo no final do mês passado, mas ainda não assinou o desligamento formal Imagem: Reprodução/TV Globo
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

08/08/2017 08h10

Fora da Globo desde o final do mês passado, o jornalista Evaristo Costa ainda não assinou seus documentos rescisórios com a TV Globo até o momento, segundo esta coluna apurou com exclusividade.

Está havendo impasse em relação ao valor da verba a ser paga. O jornalista não ficou satisfeito com o oferecido e acionou um advogado trabalhista para lidar com a situação.

É esse advogado que está em contato com a emissora nos últimos dias. O contrato oficialmente terminaria, segundo o próprio jornalista, em outubro. Ou seja, até lá existe possibilidade de um acordo amistoso.

Eva (como é chamado pelos fãs) viajou para o Reino Unido no último fim de semana para se juntar à família, que alugou por um ano uma casa em Cambridge, onde sua mulher vai estudar.

A Globo não comenta a situação trabalhista de seus funcionários ou ex-funcionários.

Procurado, por meio de mensagens diretas ou abertas em suas redes sociais, nos últimos dias, Evaristo não se manifestou até a publicação desta coluna.

Com 40 anos, ele trabalhou na Globo por quase 20. Desses, por cerca de 14 anos teria trabalhado em regime de Pessoa Jurídica (PJ).

Caso haja agravamento nesse impasse (com a rescisão) isso certamente jogará por terra qualquer possibilidade de retorno do jornalista à Globo, no futuro.

NÃO AGUENTAVA MAIS

A poucos amigos da Globo, Evaristo confidenciou na semana passada, antes de viajar, que decidiu sair da emissora e  mudar de país porque não suportava mais o assédio em sua vida privada. Além disso afirmou estar “esgotado” com o trabalho na emissora.

Segundo Evaristo, nos últimos tempos não era mais possível sair com sua mulher (Amália Stringhini) e filhas em nenhum local público, porque rapidamente já ocorriam aglomerações e confusão.

Sua mulher, segundo revelou aos colegas, foi quem mais o incentivou a deixar a Globo.

Ela não suportava mais a falta de sossego e privacidade. “Ela não via mais a hora disso acabar”, revelou o jornalista a um amigo que conversou com esta coluna sob anonimato.

CAPITALISMO

De fato, em seu Instagram, Amália se declarou aliviada com o “fim do hospício” (sem especificar do que estava falando).

“Estou tão feliz, finalmente consegui me livrar do hospício. Prostituição capitalista e falsa que não fazia bem a mim e minhas filhas”, postou, recebendo muitas críticas de internautas.

Em outro post, ela diz ao marido para “não ter medo de suportar” (o que iriam enfrentar), e que ele “não está sozinho”.

A decisão de deixar a Globo teria ocorrido logo depois de Amália ter sofrido um AVC, no final do ano passado. Ela se recuperou totalmente.

Leia também

Evaristo posta foto e brinca que está "com cara de quem sacou o FGTS"

Stycer: Na estreia de Dony, nova dupla do "Jornal Hoje" mostra harmonia

Colunista no Twitter, no Facebook ou no site Ooops!

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Topo