Coluna

Ricardo Feltrin

Consumo mostra que TV aberta está longe de morrer, diz diretora da Kantar

Reprodução/Gshow
Bibi e Carine em "A Força do Querer"; novelas ainda são o produto mais consumido da TV brasileira, diz Ibope Imagem: Reprodução/Gshow
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

24/08/2017 07h11Atualizada em 24/08/2017 22h04

Apesar de muita gente achar (e postar) que a TV aberta no Brasil está morrendo, a Kantar Ibope tem dados que apontam exatamente o contrário.

Em painel realizado nesta quarta-feira na Max 2017, em Belo Horizonte, a diretora regional Sudeste da Kantar Ibope, Giovana Alcântara, mostrou números que indicam que a TV aberta ainda tem um público tão grande e que é sandice imaginar que ele esteja morrendo.

Ao menos no curto ou médio prazos, pois o futuro a Deus pertence.

“A TV (aberta) não vai morrer, ela tem na verdade vários filhotes, e um deles está na internet”, diz ela.

“Por exemplo, muito conteúdo de grande impacto ou repercussão do You Tube nasce, na verdade, a partir da TV.”

Ela fala em relação a produtos como críticas, análises, paródias ou sátiras de programas de TV. São formatos consagrados da TV brasileira que acabam "migrando" para as redes..

Para ela, nos últimos cinco anos o mundo vive “uma revolução no formato e na diversidade de consumo de conteúdo de TV, independentemente do aparelho em que ele é visto. "Mas a TV aberta continua com imenso poder.”

Grosso modo, os dados do ibope apresentados pela Kantar Ibope (nota: isso é uma análise deste colunista, não da palestrante) mostram que o que as pessoas opinam expressam cotidianamente na internet, tem alguma, digamos, “mentira” ou “imprecisão”..

Em sistemas de comentários de portais na internet, por exemplo, é comum ler posts em que os internautas afirmam não assistir “nada” da TV aberta --e chegam a mesmo a debochar de quem ainda o faz. Como se isso fosse algo ultrapassado.

Pois bem, os dados da Kantar Ibope mostram que, por exemplo, nos últimos sete dias, ao menos 90% das 86 milhões açambarcadas nas 15 maiores regiões metropolitanas do país, assistiu TV aberta (por no mínimo 1 minuto).

As novelas ainda são o produto mais visto da TV, seguidos por reality shows, filmes, esporte.

TV ABERTA EM CELULAR É TRAÇO

Segundo os dados da Kantar, o público que consome TV aberta (ou paga) por meio de celulares via rede terrestre (aparelhos com anteninhas) é irrisório, conforme esta coluna informou em dezembro do ano passado.

No entanto, essa medição em breve vai incluir outras formas de “consumo”.

“O desafio (da Kantar Ibope) é criar métricas para entender e mensurar a audiência fragmentada”, afirmou Giovana.

Segundo ela, a parceria entre a Kantar e a ComScore serviu justamente para melhor a chamada “audiêcia crossmedia” (que envolve aparelhos diferentes).

Segundo ela, a Kantar Ibope já tem condições de mensurar a audiência de serviços como Netflix, mas ainda não disponibiliza esses dados ao mercado. Talvez em breve.

O jornalista Ricardo Feltrin viajou à Max 2017 a convite da produção do evento.

Leia Mais

"Feirão" audiovisual em Minas prevê negócios de R$ 400 milhões este ano

TVs abertas e por assinatura ainda dão 'traço' de ibope em celulares

Colunista no Twitter, no Facebook ou no site Ooops!

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Topo