Topo

Coluna

Ricardo Feltrin

Exclusivo: TVs declaram guerra e vão mover ação milionária contra GfK

Divulgação
Silvio Santos (SBT), Macedo (Record), Marcelo Carvalho e Amilcare Dallevo (Rede TV!), da Simba Imagem: Divulgação
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

21/09/2017 08h09Atualizada em 21/09/2017 16h55

Cerca de dois anos após iniciar seus trabalhos no Brasil, a empresa alemã de medição de audiência, a GfK, está perdendo seus maiores e principais clientes de uma só vez.

Record, RedeTV! e SBT decidiram acionar a empresa na Justiça depois que foram notificadas extrajudicialmente nos últimos dias, por suposto descumprimento de contrato (falta de pagamento).

O problema é que as emissoras têm motivos para ter interrompido: segundo elas, desde que começou a prestar serviço a GfK nunca cumpriu integralmente as cláusulas contratuais. São meses de falhas, disse uma fonte a par do assunto à coluna.

A crise entre GfK e TVs foi antecipada no dia 2 de agosto pelo site "Notícias da TV", que informou sobre a implosão iminente da relação entre TVs e empresa alemã.

Após serem notificadas (extrajudicialmente),  as três TVs abertas decidiram partir para o contra-ataque.

O montante da ação que elas vão reivindicar da GfK deve passar de R$ 100 milhões, segundo esta coluna apurou.

Até o ano passado elas teriam pago cerca de R$ 40 milhões à GfK, que surgiu como um instituto nos anos 30 em  Nuremberg, Alemanha.

Além de tudo que Record, SBT e RedeTV! pagaram, com juros e correção, também vão exigir indenização por danos materiais e outros itens relacionados à quebra do contrato.

Somente em uma ação inicial da Record, a Justiça determinou que a GfK pague R$ 28 milhões em até três dias.

Procurada, a GfK, por meio de sua assessoria, informou à coluna que não se manifesta sobre relações com clientes.

Record, RedeTV! e SBT também não quiseram comentar o assunto.

DOIS ANOS

Durante os últimos dois anos, a GfK forneceu às suas TVs clientes dados de medição de audiência nas principais regiões metropolitanas do país.

Foram essas três TVs abertas que, de certa forma, “patrocinaram” a instalação da empresa alemã para fazer concorrência à Kantar Ibope Media.

Havia duas “promessas” embutidas na empreitada das emissoras:

1) a GfK prometia uma medição muito mais apurada e precisa que a do Ibope;

2) as TVs queriam confrontar se os números do Ibope eram corretos, já que desde os anos 80 há desconfianças de favorecimento à Globo (Silvio Santos tentou apoiar a Nielsen contra o Ibope no início dos anos 90, por exemplo).

Mas, após dois anos, nada disso ocorreu: nem a nova concorrente teria oferecido a precisão que prometia e tampouco seus dados apresentaram grande disparidade em relação ao que o Ibope já marcava.

Há, sim, divergências e discrepâncias que podiam passar até de 25% em algumas faixas horárias, mas de forma geral, na média diária, as audiências (e o público) medidas por Ibope e GfK eram semelhantes.

Leia também

Empresa GfK eleva o tom e notifica TVs abertas por falta de pagamento

Em conflito com emissoras, GfK pode implodir medição de audiência

Colunista no Twitter, no Facebook ou no site Ooops!

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!