Coluna

Ricardo Feltrin

Análise: Presença de youtubers é o ponto baixo do Multishow no Rock in Rio

Marco Antônio Teixeira/UOL
Roger Daltrey, do The Who, no Rock in Rio Imagem: Marco Antônio Teixeira/UOL
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

24/09/2017 11h18Atualizada em 24/09/2017 11h18

Canal pioneiro da Globosat na TV por assinatura brasileira, o Multishow tem um amplo espectro de sua programação dedicado às músicas nacional e estrangeira.

Há grande ênfase ao que está em evidência, ao que é modinha, é verdade; mas também há  espaço aos flashbacks e alguns outros estilos, inclusive música estrangeira legendada (TVZ), que é algo raríssimo e interessante.

Além da MTV --que cada vez mais se afasta da música em direção aos reality shows de comportamento (idiota, diga-se)--, é inegável que o Multishow e o Bis (ambos Globosat) são dois lugares que se dedicam de forma honesta a levar música e cultura musical popular aos telespectadores.

Por isso chama a atenção a forma descuidada e, principalmente, a pobreza de alguns convidados "youtubers" do Multishow para acompanhar a cobertura do Rock in Rio este ano na TV e na internet.

Imagino o que ocorreu.

No possível afã de atrair “a galerinha da internet” (que cada vez menos vê TV e cada vez mais se filma no smartphone), o canal escalou uma leva de youtubers para fazer gracejos, sandices e despejar palavrões gratuitos, especialmente na cobertura online.

A verdade é que, com raríssimas exceções (como PC Siqueira), a maioria dos chamados youtubers não traz e nem trouxe uma única informação relevante sobre artistas ou sobre música, muito menos sobre os shows do RiR.

Nem mesmo sobre o público. Quando abriram a boca, de lá saiu quase sempre algo inútil. Nem mesmo alguma coisa decorada de Wikipedia.

Um dos motivos óbvios é a óbvia falta de estofo musical desses jovens convidados do canal.

Nem vale a pena citar nomes para não parecer algo pessoal. Porque o conjunto da "obra youtuber" mesmo é que foi desolador e desnecessário no canal.

O mais curioso é que, no caso dos repórteres oficiais do Multishow, a situação foi totalmente inversa. O canal escalou gente com carisma e experiente. 

Bruno de Lucca e Laura Vicente, por exemplo, não decepcionaram, e souberam divertir como repórteres (gonzos) nos dias do festival.

A experiente Didi Wagner também foi muito bem, com ótimas entrevistas --como não poderia deixar de ser. Assim como Jimmy London e  João Gordo

Claro, o Multishow pode se gabar de estar batendo recordes de audiência por causa do evento em si. Recordes de TV paga, bem entendido (leia-se: menos de 1 ponto de média)

Mas podia tranquilamente ter deixado de lado essa "galerinha youtuber" insossa. 

Você concorda? Discorda? Cadastre-se e deixe sua opinião abaixo no sistema de comentários do UOL.

Leia mais

Acompanhe a cobertura completa do Rock in Rio no UOL

Red Hot e 30 Seconds: os shows imperdíveis no adeus do RiR

Colunista no Twitter, no Facebook ou no site Ooops!

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Topo