Coluna

Ricardo Feltrin

Hegemonia na TV paga: Dos 50 programas mais vistos, 45 são Globosat

Divulgação
Passarinhos marrentos de "Angry Birds" são exclusividade do canal Gloob na TV paga nacional Imagem: Divulgação
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

19/04/2018 06h03Atualizada em 20/04/2018 09h52

Os números não mentem, diz o ditado, e com a audiência da TV paga não é diferente.

Pois os números do primeiro trimestre de 2018 mostram o tamanho da hegemonia do Grupo Globo nessa mídia específica, a TV por assinatura.

4 dos 5; ou 9 dos 10; ou 45 dos 50 ou 92 dos 100 programas mais vistos na TV paga brasileira são da Globosat ou feitos em parceria com ela (como os programas Telecine, por exemplo).

Idem para nove dos dez conteúdos mais vistos no horário nobre: todos pertencem à divisão de programas por assinatura da Globo.

O domínio pode até assustar, mas é mais que merecido (leia mais abaixo).

O isolamento dos programas Globosat como líderes se dá em outras análises baseadas nos números oficiais da Kantar Ibope Media: dos 20 filmes de maior audiência vistos na TV paga em 2018, 17 foram exibidos em programas Globosat.

No esporte, dos 20 jogos de futebol mais assistidos, 15 também foram exibidos pelos programas do  grupo Globo.

Essa hegemonia acachapante mostra apenas a diferença entre a gestão e visão de de longo prazo do grupo da família Marinho e as demais emissoras de TV e grupos de mídia nacionais.

Vinte cinco anos atrás a Globo foi contra a maré, contra a crise, e investiu pesado (e praticamente sozinha) na TV por assinatura nacional, ciente de que ela se desenvolveria. Bingo.

É verdade que a emissora abriu tanto a torneira de investimentos que chegou a ameaçar sua própria saúde financeira como um todo (entre o final do século passado e o início deste).

Mesmo assim, os resultados provam que a Globosat se tornou um case de sucesso, aliás, a segunda maior fonte de receitas do Grupo Globo, só atrás da própria TV aberta.

Além dos sucessos SporTV, Multishow, nos últimos anos a Globo investiu em canais de alta qualidade (como o Bis), além de outros que se tornaram “blockbusters”, como o Viva e o infantil Gloob, sem falar da GloboNews --que sempre está no top 10 quando o noticiário é grave.

Das demais emissoras, a Band da família Saad é a única que fez algum investimento na TV por assinatura nos últimos anos.

A SIMBA

Record, SBT e RedeTV se uniram cerca de três anos atrás para criar a joint-venture Simba.

Uma das “razões” da criação da Simba seria a empresa passar a defender os interesses das três TVs abertas e investir na criação de conteúdo --parte dele destinado à TV paga.

Porém, não há nenhum plano formal, nem sequer um indício de que a Simba criará ou lançará novos canais no curto e médio prazos. Talvez nem mesmo no longo.

Mesmo assim as três “irmãs” de joint-venture ainda teriam de tirar o atraso de duas décadas e meia de conteúdo Globosat.

Dado o desinteresse de Record, SBT e RedeTV pela TV paga, é possível se perguntar se um dia isso de fato irá ocorrer.

Esta coluna informou incorretamente que 45 dos 50 canais mais vistos pertencem a Globosat, na verdade são 30 dos 50 canais.

Dos 10 canais mais vistos, 3 são da Globosat.

LEIA MAIS

Globosat, 25 anos, é um dos grandes "cases" de sucesso no Brasil

GloboNews prepara "jornalzão" de 3 horas e quer dar mais espaço a SP

Colunista no Twitter, no Facebook ou no site Ooops

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Topo