Topo

Coluna

Ricardo Feltrin

Em fim de contrato, Angélica oferece novo programa à Globo; emissora hesita

Reprodução/Instagram
Angélica e o marido, Luciano Huck, durante viagem a Israel Imagem: Reprodução/Instagram
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

03/06/2018 09h45

O contrato de Angélica com a Globo vence dentro de cerca de três meses e a emissora ainda não a chamou para conversar sobre renovação.

Com a atual política de cortes de custos na emissora, porém, a chance de renovação caiu.

E, mesmo que ela renove, uma coisa é certa: seu salário será bem menor que o do atual contrato --assinado sem alarde em 2014.

Em abril, assim que o “Estrelas” saiu do ar, Angélica correu apresentar o projeto de um novo programa à emissora, que por sua vez  direcionou ao diretor Ricardo Waddington para análise.

O conteúdo do projeto, porém --segundo a coluna apurou--, teria quadros muito similares a outras atrações da Globo.

A chance de ser aprovado, tudo indica, é pequena. Ela deve ficar na “geladeira” por enquanto, ou no máximo fazer apenas participações em outras atrações da casa.

A amigos, recentemente, a loira negou ter qualquer interesse em se aposentar, como se especulou meses atrás na imprensa.

Deixou claro ainda que quer ficar onde está, mas que, se a Globo não a quiser mais, que ela pode procurar outra emissora.

22 ANOS DE GLOBO

Angélica está na Globo desde 1996, onde chegou com status de estrela de primeira grandeza e herdeira de Xuxa. Ali ela estreou o “Angel Mix”, um programa diário e infantil de mais de três horas de duração.

Naquele ano ela havia mudado de endereço e deixara o SBT, onde havia estreado três anos antes.

Na Globo, chegou a ter seus próprios especiais de fim de ano, atuou como atriz, teve outros programas (como o “Bambuluá”) e chegou a fazer participações em novelas fazendo o “papel” de si mesma.

Desde o ano passado, a Globo já havia anunciado o fim do  “Estrelas”, e ainda não sabe como aproveitá-la. Se é que vai, pois a grade atual não tem espaço.

A partir de 2006 ela ficou à frente do semanal “Estrelas” que, grosso modo, sempre foi uma espécie de “Vídeo Show” mais intimista.

Um obstáculo para seu projeto, porém, é a longa “fila” de outros artistas e jornalistas da casa que também já apresentaram planos nos últimos anos (e meses).

Praticamente todos estão engavetados.

No entanto, uma vantagem da apresentadora e mulher de Luciano Huck é o forte apoio (leia-se lobby) por parte de outras estrelas, como Fátima Bernardes, Fausto Silva e, claro, o próprio marido.

Colunista no Twitter, no Facebook ou no site Ooops

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!