Topo

Coluna

Ricardo Feltrin

Bourdain veio a SP e adorou lanche de mortadela do Mercado Municipal

Divulgação
Cena da série "Anthony Bourdain: Sem Reservas" (Netflix) Imagem: Divulgação
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

08/06/2018 11h07

O chef, escritor e apresentador Anthony Bourdain, que morreu hoje aos 61 anos na França, veio a  São Paulo algumas vezes.

Em 2007, ele veio gravar um episódio especial sobre São Paulo (o Estado, não só a cidade) para seu programa então exibido no canal pago Travel And Living Channel (hoje TLC), do grupo Discovery.

O chef foi recebido como estrela e com todos os mimos possíveis.

Como ele iria conhecer restaurantes no litoral norte de São Paulo, o canal disponibilizou até um helicóptero para ele (a piloto era, além de competente, um espetáculo de beleza também).

Bourdain esteve ainda no Mercado Municipal, onde insistiram que ele deveria provar o megalomaníaco lanche de meio quilo de mortadela.

Eu estava lá como jornalista, na mesinha ao lado dele, quando o lanche (dele) chegou. Já estávamos apresentados. Eu já tinha almoçado.

Educado, me ofereceu educadamente (em inglês): “Ricardo?”

Respondi: “Not at all” , brinquei fazendo cara de nojo.

Bom, a verdade é que ele gostou. Achou oleoso, exagerado em último grau, mas disse que “definitivamente esse é o tipo de comida que eu gosto”.

Para tirar o gosto do meio quilo de mortadela que ele tinha na boca, dei-lhe uma “paçoquinha” que eu havia levado justamente para ele.

Ele comeu e chegou a lamber a embalagem. Adorou.

Depois disso falamos rapidamente sobre nossa paixão em comum, o bourbon (uísque de milho americano).

Eu brinquei dizendo que sabia qual era o bourbon preferido dele, e que sabia que ele nunca pronunciava o nome dessa bebida nos programas porque era raro e difícil de achar. Eu sabia que ele não queria "concorrência".

Ele pareceu espantado. “Hummm… Qual é então?” Respondi “na lata”: “Pappy Van Winkle`s 20 Anos Reserve”

Ele abriu um enorme sorriso e depois fez “Shhhhhhh! Shut up, Ricardo!”

Mas a viagem de Bourdain ao Brasil também teve gafes.

Uma brincadeira grosseira no texto (dele) do programa sobre a visita a São Paulo acabou criando uma espécie de movimento #ForaBourdain entre os paulistanos puritanos.

Viajando de helicóptero sobre a cidade, ele a definiu com sua verve típica:

“Definir São Paulo? Alguém já disse que é como se Los Angeles tivesse vomitado Nova York.”

Na época, os sistemas de comentários dos sites e portais foram inundados de xingamentos, ódio e mensagens desabonadoras contra Bourdain.

Porém, em outros programas, mais tarde, ele deu um jeito de se retratar, falando que adorava São Paulo, que amava os paulistas, a comida despojada etc. etc.

Anthony depois ainda visitaria uma escola de samba, a Rosas de Ouro, mas, incapaz de esconder sua personalidade rabugenta, se recusou a entrar na roda e sambar.

“Estranhos perto de mim suando? Nah!"

Anthony morreu nesta madrugada na França, aos 61 anos, em aparente suicídio. Ele atualmente trabalhava na CNN no programa “Parts Unknown”, série que ganhou 5 Emmys.

LEIA MAIS

Chef, escritor e apresentador Anthony Bourdain morre aos 61 anos

Colunista no Twitter, no Facebook ou no site Ooops

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!