Topo

Coluna

Ricardo Feltrin

Reunião na GloboNews acaba em clima tenso; novo telejornal deve atrasar

Divulgação/TV Globo
Miriam Leitão, da GloboNews Imagem: Divulgação/TV Globo
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

12/07/2018 00h09

Uma reunião do tipo “brainstorming” da equipe  de jornalismo da GloboNews, ocorrida nesta quarta-feira (11), teve momentos de tensão, críticas pessoais e expressões de frustração.

Um dos objetivos da reunião era discutir a formação do novo núcleo (editoria) de economia na emissora noticiosa da Globosat.

Sem citar nomes, a jornalista veterana Miriam Leitão já começou criticando colegas “economistas” e acadêmicos que, segundo ela, têm ocupado espaço demais na emissora com o que considera pautas banais do tipo “seu bolso”, “seu dinheiro” etc.

Ela deu a entender que sua forma de apresentar e discutir economia é mais didática e superior à de economistas e acadêmicos da casa.

O alvo da Miriam, 65 anos, aparentemente era a equipe do “Conta Corrente”, programa que será extinto, mas cuja equipe se tornou a base do novo “telejornalzão” de três horas que a GloboNews vai estrear no final do mês (leia mais abaixo).

Durante o evento, inclusive, o economista Samy Dana, 39 anos, foi criticado diretamente por ela por dar “ideias demais” na reunião.

Nesse momento Miriam chegou a ser interrompida pelo novo diretor do canal, Miguel Athayde: “Não, não é isso, estamos aqui (para ouvir ideias mesmo)”.

Miriam continuou suas críticas com um exemplo.

“Se a (produção da) indústria cai 10% e depois sobe 10% voltou a ser o que era. Precisa mostrar o histórico e mostrar que nada mudou”, disse a jornalista.

O que a irritou foi que Samy, que é PhD em economia, posteriormente a corrigiu --indiretamente:

Se você perde 20% de R$ 100, você passa a ter R$ 80. Se se depois ganhar 20%, você não terá novamente seus R$ 100, e sim R$ 96. Ou seja, terá 4% a menos.

FRUSTRAÇÃO

Já o quesito frustração foi causado pelo provável adiamento da estreia do novo “telejornalzão”, que será ancorado por José Roberto Burnier e tinha estreia prevista para a próxima segunda-feira.

A equipe já está toda mobilizada e alguns profissionais já vinham entrando de madrugada para a preparação do produto.

No entanto, Burnier --que estava na Rússia cobrindo a Copa-- pediu 10 dias de folga antes de sua estreia na GloboNews.

Muitas pessoas ficaram ressentidas porque não foram informadas sobre nada e nem sabiam do provável adiamento da estreia.

Colunista no Twitter, no Facebook ou no site Ooops