Topo

Coluna

Ricardo Feltrin

Com exceção da Universal, igrejas menores lutam para se manter na TV

Mastrangelo Reino/Folha Imagem
Valdemiro Santiago; da Igreja Mundial do Poder de Deus Imagem: Mastrangelo Reino/Folha Imagem
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

31/08/2018 10h44

A crise econômica e o desemprego que grassam no país afetaram também o dízimo --principal motor que expande as igrejas evangélicas no país, tanto em construções físicas como em presença na mídia.

É com dinheiro de dízimos, doações, carnês mensais e os chamados “desafios” que igrejas menores conseguem sustentar seu projeto midiático.

Mesmo a rica Universal não está jogando dinheiro fora. Daí o fato de ter proposto à Gazeta ocupar menos espaço na grade e, obviamente, pagar menos por isso. A Gazeta recusou.

Com a RedeTV foi o mesmo. A Universal até acenou continuar a parceria, mas queria reduzir bastante o valor gasto atualmente.

Já igrejas como a Mundial, de Valdemiro Santiago, há anos vêm sofrendo com a fuga de fiéis e queda de dízimos e ofertas.

Ela chegou a negociar com a cúpula da RedeTV nas últimas semanas, mas queria um voto de confiança: em outras palavras, primeiro queria alugar o horário e, com a exposição em TV aberta, arrecadar o valor suficiente para pagar o aluguel à emissora.

A direção da TV não quis nem sequer conversar.

Outras igrejas, como a Plenitude, do pastor Agenor Duque, também estão emperradas e há anos sem um crescimento consistente.

LEIA MAIS

Crise derruba dízimos e já tira programação de igrejas da TV

Pastor pede que fiéis doem R$ 3 mi por mês para bancar canal de TV

Siga o colunista no Twitter, no Facebook ou no site Ooops

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!