Topo

Coluna

Ricardo Feltrin

TV paga no Brasil segue com fuga de assinantes; veja os números

Getty Image
Imagem: Getty Image
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

30/10/2018 13h51

Os dados de setembro da TV paga no Brasil foram divulgados pela Anatel e o serviço continua perdendo assinantes no país de forma lenta, porém constante.

Setembro terminou com 17,791 milhões de assinantes no país. O serviço perdeu quase meio milhão deles nos últimos 12 meses.

Em agosto, a TV paga tinha 17,817 milhões de clientes (queda de 25,4 mil deles em um mês).

A única operadora que está registrando algum crescimento é a Oi, que desde setembro do ano passado já expandiu a base em quase 9%.

Com 1,59 milhão de assinantes, a Oi já está no "cangote" da Vivo (1,60 milhão) e deve deixá-la para trás até o fim do ano.

Maior operadora do Brasil é a Claro/Net, com 8,82 milhões de pontos pagos (49,6%).

A seguir vem a Sky com 5,24 milhões (29,4%). Em setembro, a Anatel informa ao público que novamente a Nossa TV, operadora ligada à Igreja Internacional da Graça, não enviou dados e está excluída da medição.

Conhecida como a "operadora evangélica", ela vem sofrendo com a crise econômica que atinge os fiéis, que estão cancelando seu serviço em massa.

HISTÓRICO DA CRISE

A TV por assinatura no país vem perdendo público de forma sistemática desde o final da Copa realizada no Brasil em 2014.

Coincidiram naquele momento o vexame do país na Copa, uma imensa turbulência econômica e política, mais desemprego e, com ele, a inadimplência.

Além da internet em si e também serviços como a Netflix, disputando a atenção do ex-telespectador.

No final de 2014, o setor de TV paga esteve à beira de chegar a 20 milhões de assinantes, mas desde então só fez retrair.

LEIA MAIS

Com crise e queda nos dízimos, "operadora evangélica" desmorona

TV paga vive "epidemia" de reality shows sobre carros

Colunista no Twitter, no Facebook ou no site Ooops