Topo

Coluna

Ricardo Feltrin


RedeTV "namora" Datena, mas esbarra em salário "monstro"

José Luiz Datena volta a apresentar "Brasil Urgente" após denúncia de repórter - Reprodução/TV Bandeirantes
José Luiz Datena volta a apresentar "Brasil Urgente" após denúncia de repórter Imagem: Reprodução/TV Bandeirantes
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

13/03/2019 16h20

Após 18 anos, José Luiz Datena voltou a ser discretissimamente assediado por emissários da RedeTV. Datena trabalhou na emissora brevemente em 2002.

Procurado pela coluna, um funcionário do jornalismo da RedeTV, que pediu anonimato, confirmou o interesse da emissora na atual maior estrela do jornalismo da Band.

"Esse é um namoro antigo, Datena é muito querido pelos donos da RedeTV. O único problema que é que ele recebe um salário "monstro", que pode até desequilibrar as finanças da casa. Mas, que tem namoro, tem", disse à fonte à coluna na tarde desta quarta-feira (13).

Além de apresentar algum novo telejornal, na RedeTV Datena poderia realizar um de seus grandes sonhos, que é ter seu próprio talk-show.

Mas, há um segundo problema, caso o namoro com a RedeTV siga adiante. Datena ainda tem contrato com a TV da família Saad até o final do próximo ano.

Além disso, apesar de darem o adjetivo "monstro" para seu salário, é bom lembrar que, quando renovou com a Band pela última vez, em 2017, Datena aceitou manter o valor de então. Ou seja, ele renovou sem reajuste.

No entanto, a coluna apurou que a questão do contrato com a Band poderia ser acertada pacificamente, até mesmo sem pagamento de rescisão, caso o jornalista e apresentador decidisse mesmo mudar para a RedeTV.

Datena representa hoje a maior audiência da Band, e além disso entrega com um ibope elevado para o "Jornal da Band".

No entanto, o enorme "Brasil Urgente" (mais de três horas de duração) não é um produto rentável do ponto de vista comercial. Isso, aliás, é um empecilho de forma geral para o chamado jornalismo policial na TV aberta.

Ricardo Feltrin no Twitter, Facebook e site Ooops