Topo

Coluna

Ricardo Feltrin


Disney sente falta de "vitrine" no Brasil e mantém os olhos no SBT

Divulgação
Até o ano passado, a sessão "Mundo Disney" era exibida todos os dias nas manhãs do SBT Imagem: Divulgação
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

2019-04-26T07:02:00

26/04/2019 07h02

Ainda não podem ser chamadas de negociações, mas esta coluna apurou que está em andamento uma reaproximação entre a Disney e o SBT.

O gigantesco grupo norte-americano de mídia e a emissora brasileira encerraram um contrato de parceria em agosto do ano passado, após três anos. Mas, o vínculo e o respeito foram mantidos e reaqueceram nas últimas semanas.

Nem SBT nem Disney jamais deram detalhes sobre valores ou sobre o fim do acordo que já durava três anos.

Mas, houve relatos de que Silvio estaria descontente em parte financeiramente, em parte com conteúdo exibido diariamente --de segunda a segunda-- na sessão "Mundo Disney".

De fato, como esta coluna apontou algumas vezes nos três anos de contrato, os seriados e desenhos da Disney cedidos ao SBT não eram necessariamente os de maior sucesso.

Em março de 2018 esta coluna revelou que, apesar de ter contrato com o SBT, a Disney continuava oferecendo algumas "jóias" de seu acervo para a Globo exibir apenas sem seu sinal nas parabólicas. No mínimo uma indelicadeza corporativa.

Uma coisa é certa. A Walt Disney Company não está interessada na parceria com o SBT por causa de dinheiro ou valorização imediatos. Ninguém sabe os valores do contrato encerrado no ano passado --quanto a Disney pagava anualmente ao SBT pela cessão da grade matinal.

A Disney é a 19ª marca mais valiosa do mundo, segundo um ranking divulgado no passado nos EUA. Teve receita no ano passado de US$ 58 bilhões (R$ 232 bilhões). Recentemente comprou a 21st Century Fox por US$ 71 bilhões. . O SBT, para efeitos de comparação, estima-se, tem receita de menos de R$ 1 bilhão por ano.

Lembrando que nem Disney e nem SBT podem explorar comercialmente os intervalos comerciais. A Disney se limita a divulgar com teasers seus personagens e conteúdos, mas jamais os produtos de suas inúmeras linhas.

É um império, é fato. Mas, hoje não tem algo que o SBT tem --e bem no momento em que decide se expandir mundo afora: dezenas de milhões de espectadores, num país gigantesco, e na faixa etária exata para seu conteúdo, marca e mensagem. É uma chance única.

Além de o SBT ser uma vitrine valiosa, os produtos infanto-juvenis da TV de Silvio Santos "casam" perfeitamente com os da Disney (houve até uma co-produção no ano passado, a série "Z4").

Exibido no SBT, o "Mundo Disney" sempre esteve na luta pela vice-liderança no ibope em seu horário. Nos finais de semana chegava eventualmente ao primeiro lugar, deixando a Globo em segundo.

Enfim, é uma parceria que certamente tem tudo para dar certo.

Procuradas, as partes envolvidas disseram não ter informações ou novidades sobre o assunto (reaproximação e parceria).

Ricardo Feltrin no Twitter, Facebook e site Ooops