Topo

Coluna

Ricardo Feltrin


Silvio demite, reduz equipes e desmonta jornalismo do SBT

Lourival Ribeiro/SBT
O apresentador e dono do SBT, Silvio Santos, está promovendo um "passaralho" na emissora Imagem: Lourival Ribeiro/SBT
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

2019-06-21T06:12:00

21/06/2019 06h12

Sem a menor cerimônia --o que lhe é peculiar-- Silvio Santos decidiu que não vai mais investir em jornalismo no SBT.

Meses atrás ele até chegou a ficar empolgado com os bons números de audiência que os telejornais da casa vinham registrando, mas, pronto, já passou a fase.

Os últimos suspiros desse agonizante departamento do SBT foram a compra de câmeras de alta definição (com anos de atraso em relação à concorrência, diga-se) e o anúncio da renovação de contrato com Roberto Cabrini no começo desta semana.

Só que no exato instante em que a renovação de Cabrini era alardeada, o SBT promovia demissões em série nos últimos remanescentes do finado "SBT Notícias".

Cerca de cinco produtores (funcionários do tipo faz-tudo) foram demitidos segunda e terça.

Foram cortados também, dias antes, jornalistas e âncoras com décadas de casa, como Analice Nicolau e Karyn Bravo.

Coube ao repórter e eventual âncora João Fernandes ser o último a apresentar o "SBT Notícias", na semana passada.

Na segunda-feira, durante sua folga, Fernandes recebeu a ligação do RH da emissora avisando-o que também estava incluído no "pacote" de demissões.

E tem mais

A renovação de Rachel Sheherazade é cada vez mais improvável também. Aguerrida nas redes, ela atrai o ódio dos bolsonaristas. Muitos, inclusive, enviam e-mails ao SBT pedindo sua demissão (é o modus operandi do bolsonarismo contra a imprensa em geral).

O sufocamento do restante do jornalismo do restante do SBT é só mais uma questão de tempo. Nos corredores, brinca-se (nervosamente) que Cabrini e sua equipe serão os últimos a apagarem a luz do departamento.

Por outro lado, os empregos dos âncoras popularescos Dudu Camargo e Marcão do Povo, por enquanto, estão garantidos. Ao menos enquanto faturarem com "merchandising".

Outro "investimento" que o dono do SBT ordenou é a contratação de Júllia Horta, Miss Brasil 2019 (e formada em jornalismo) para apresentar o "SBT Brasil" aos sábados, conforme informou ontem o site "Notícias da TV".Sílvio teria "se encantado" com a moça.

Mas, tudo tem um preço: ao jogar no fosso o nível do seu jornalismo, o SBT corre risco também de afugentar bons anunciantes. A esperança é compensar tudo com anúncios federais (RedeTV, Record e Band também muito estão esperançosas nesse dinheiro).

"Se for para criticar (governo) é melhor ficar quieto", Silvio costuma repetir aos chefes de redação sobre sua "posição" política. Mais claro, impossível.

Desde a eleição de Jair Bolsonaro, o comportamento de Silvio Santos, 88, não surpreende.

Ele, que sempre foi um "governista de carteirinha", desde os tempos da ditadura, não vai mudar depois de velho.

Ricardo Feltrin no Twitter, Facebook e site Ooops