Topo

Coluna

Ricardo Feltrin


Repertório revelado: César Tralli cantava gótico, pop e rock nos anos 80

César Tralli em 1987 - Reprodução
César Tralli em 1987 Imagem: Reprodução
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

29/06/2019 07h11

O jornalista Cesar Tralli relembrou os velhos tempos e exibiu ontem no SP1 uma foto antiga (já publicada dois anos atrás) dos anos 80, quando ele era o "frontman" de uma banda de música cover que atuava em São Paulo.

Tralli despertou curiosidade do público que, pelas redes sociais, pediu para ele cantar. Bem, a coluna descobriu uma pessoa próxima ao apresentador e que acompanhou sua fase "cover" 30 anos atrás. A fonte pediu para não ser identificada.

Tralli liderava a banda Teclas de Marfim. Na foto publicada no UOL dois anos atrás, a fonte sabe apenas que ao fundo, à esquerda (cortado da foto) está o baterista, que se chamava Maurício. Do lado direito de Tralli estava o baixista, mas a fonte não lembra o nome.

Segundo a fonte, o âncora do "SP1" não começou a carreira de músico como vocalista, e sim como baterista. Mas, logo trocou o fundo pela frente do palco.

Entre as músicas que a banda Teclas de Marfim tocava estavam o pop-rock gótico do The Cure, a música eletrônica do Depeche Mode, o The Police, The Smiths e até The Clash.

De nacional, eles tocavam Legião, Paralamas do Sucesso e Biquíni Cavadão.

Na foto acima, de 1987, Tralli tinha 16 anos (hoje tem 48 e em breve será pai pela primeira vez).

César Tralli publica foto dos anos 80 - Reprodução/Instagram/cesartralli
César Tralli publica foto dos anos 80
Imagem: Reprodução/Instagram/cesartralli
A banda Teclas normalmente era contratada para tocar em festas, mas também disputou festivais dos anos 80, como o da Cultura Inglesa (mas não ganharam).

A coluna tentou entrar em contato com o jornalista nesta sexta-feira para comentar o "repertório" do passado. Enviou mensagem mas não teve resposta até a publicação desta coluna.

Ricardo Feltrin no Twitter, Facebook e site Ooops