Topo

Coluna

Ricardo Feltrin


Nos EUA, brasileiros pirateiam sinais de Globo, Record e SBT

Aparelho que permite "piratear" sinais ao vivo da Globo, SBT e Record nos EUA - Reprodução da internet
Aparelho que permite "piratear" sinais ao vivo da Globo, SBT e Record nos EUA Imagem: Reprodução da internet
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

04/08/2019 17h19Atualizada em 04/08/2019 17h23

No Brasil há 17 milhões de assinantes de TV paga legalizados e mais cerca de 3 milhões "ilegais" ou piratas, segundo os últimos dados abertos ao público.

Em lojas de São Paulo ou mesmo na internet é possível comprar equipamentos (na faixa dos R$ 499) que, após instalados, "quebram" o código de todos os canais pagos (incluindo os HBOs, Telecines, os PPV e até mesmo os pornôs).

Suposta vantagem: o usuário paga o aparelho, mas fica isento de mensalidade. Desvantagem: é crime e pode dar processo e multa.

Outra desvantagem é que boa parte das operadoras vêm desenvolvendo softwares cada vez mais eficazes que "alteram" os códigos de forma constante, o que acaba no mínimo dificultando muito a vida dos "piratas".

Esses são obrigados a "recodificar" os aparelhos repetidamente, de tempos em tempos (ou pagar a alguém que saiba fazer isso; ou seja, há custos).

A novidade é que alguns brasileiros que mudam para outros países estão mantendo essa "prática", só que o alvo é outro.

A coluna apurou que somente na região de Boston, capital do estado de Massachusetts, EUA, milhares de brasileiros estão adquirindo aparelhos que pirateiam não só canais pagos norte-americanos, mas especificamente canais abertos brasileiros, como Globo, Record e SBT, entre outros.

Ou seja, para matar a "saudade" da terrinha, eles compram as tais "open box" ou "brazil boxes". Assim, conseguem assistir à mesma programação ao vivo que é exibida aqui --inclusive filmes, campeonatos de futebol, reality shows e, claro, novelas.

As "brazil boxes" estão atualmente em oferta em alguns sites por US$ 25 (cerca de R$ 93). Para quem não tem prática, é possível contratar um instalador e só. Nada de mensalidades. Assim como os vendidos no Brasil, a maioria absoluta dos aparelhos é de fabricação chinesa.

Um dos moradores conversou com uma fonte desta coluna, sob anonimato, e disse que não perde um episódio do reality "Fábrica de Casamentos", do SBT (pelo fuso horário, em Boston o reality é exibido uma hora antes que aqui no Brasil).

Outro brasileiro, também em Boston, disse ter muita dificuldade em aprender inglês e que, como trabalha com outros brasileiros na cidade, acabou se desinteressando em aprender o idioma.

Ele também comprou a caixa para a família e diz que, como trabalha à noite, adora os filmes da "Sessão da Tarde", da Globo. Quando consegue também assiste aos seriados exibidos pela Record, como "CSI".

Direitos autorais e territoriais

Vale lembrar que, pela legislação, as TVs brasileiras não podem exibir esses filmes e seriados fora do Brasil nem mesmo por meio de aplicativos como Globo Play ou Play Plus.

Também não podem exibir em muitos casos nem mesmo campeonatos de futebol porque esses conteúdos obedecem a uma lei de direito territorial. Por exemplo, o campeonato brasileiro pode pertencer a uma outra emissora nos EUA.

Especialistas em combate à pirataria dizem que, aparentemente, os transgressores primeiro "quebram" o código dos sinais das TVs abertas no próprio satélite. Em seguida redirecionam esses sinais via internet e, dali, para as "open box".

Vale um último aviso aos brasileiros: nos EUA pirataria é considerada crime grave e pode dar até cadeia.

Ricardo Feltrin no Twitter, Facebook e site Ooops

Ricardo Feltrin