Topo

Coluna

Ricardo Feltrin


Cade decide revisar compra da Fox pela Disney

Programa "Fox Sports Rádio", com Benjamim Back (centro) - Divulgação
Programa "Fox Sports Rádio", com Benjamim Back (centro) Imagem: Divulgação
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

13/11/2019 17h10Atualizada em 13/11/2019 18h23

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) decidiu, em sessão nesta quarta (13), revisar a aquisição da Twenty-First Century Fox pela The Walt Disney Company. A operação foi aprovada em fevereiro, condicionada à venda do canal Fox Sports.

O motivo da revisão é que venceu o prazo para a Disney vender o canal Fox Sports. Segundo o órgão de controle, houve "boa fé" das partes envolvidas e, em especial da Disney, de vender. Mas isso não se concretizou.

O que aconteceu de fato

Na prática a fusão no Brasil fica suspensa até a próxima reunião do Cade para discutir o assunto, o que só deve ocorrer no ano que vem.

A venda do canal foi uma medida negociada entre o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) e as empresas para manter as mesmas condições de concorrência antes da fusão.

Nos últimos meses, no entanto, o governo vem acenando com a possibilidade de mudança da legislação e há possibilidade, inclusive, de que operadoras, TVs e estúdios possam ter no futuro propriedades "cruzadas". Isso pode beneficiar não só a Disney, mas também a Warner-Sky e demais operadoras.

Há hoje três opções de canais de esportes para os consumidores no Brasil: SporTV (da Globosat), ESPN e mais uma nova empresa com os ativos da Fox Sports.

O Cade nunca revelou publicamente a data-limite para a venda. A decisão de hoje, porém, mostra que ela foi postergada ao menos uma vez.

É bom repetir: a decisão de hoje não "mela" o negócio —que teve caráter internacional— e nem envolve somas em dinheiro.

Ou seja, a compra da Fox pela Disney foi feita no exterior. A fusão só não foi aprovada (por enquanto) no Brasil e no México.

Ricardo Feltrin no Twitter, Facebook e site Ooops

Ricardo Feltrin