Topo

Coluna

Ricardo Feltrin


Record está de olho em estrelas descontentes na Globo

Patrícia Poeta e Zeca Camargo, do programa "É de Casa", passeiam juntos no Leblon - Thiago Martins/AgNews
Patrícia Poeta e Zeca Camargo, do programa "É de Casa", passeiam juntos no Leblon Imagem: Thiago Martins/AgNews
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

17/11/2019 08h10

Resumo da notícia

  • Processo de fusão na Globo desagrada a algumas estrelas
  • Record fez contato com Patrícia Poeta e Zeca Camargo
  • Demissões no Grupo Globo podem chegar a 4.000 até 2022

Nos últimos meses vazaram informações —jamais desmentidas pelas partes— de que algumas estrelas da Globo estariam negociando ou ao menos conversando com emissários da Record.

Entre essas estrelas sondadas estão Zeca Camargo e Patrícia Poeta, além de Angélica, entre outros.

No caso dos dois primeiros, ao menos, a coluna confirmou junto a fontes que houve, sim, um contato da Record.

No caso de Poeta, porém, a emissora da Barra Funda descobriu que seu contrato só vence em 2021.

Já no caso de Zeca, ele vence no próximo ano, assim como o de Angélica. Os dois estão no radar da RecordTV.

Porém, em comum em todos esses casos está a insatisfação dos profissionais com a casa atual.

A Globo já avisou que, caso renove com esses profissionais, será numa outra realidade.

Em outras palavras eles terão de aceitar na prática uma significativa redução de ganhos, assim como já está ocorrendo em outras áreas e com outros profissionais da casa.

Como esta coluna já publicou várias vezes, a Globo está colocando um fim nos "supersalários" de seu elenco e fazendo um enorme processo de "readequação"..

Há repórteres esportivos, por exemplo, que chegavam a ganhar seis dígitos e entravam no ar no máximo uma ou duas vezes por semana.

Também havia (e ainda há) atrizes e atores consagrados que também ganhavam acima de R$ 100 mil e se dedicavam mais ao cinema, ao teatro ou a outros afazeres que não a emissora.

Alguns passaram anos arrumando uma desculpa ou outra para não fazer esta novela, aquela minissérie ou aquele seriado que estreia em breve.

Essa teria sido uma das justificativas para a dispensa de Malu Mader, no ano passado, após 35 de casa. Assim que seu contrato terminou a emissora deu o adeus.

Hoje é um novo dia, de um novo tempo

Não se trata de mesquinhez da Globo, mas de readaptação aos novos tempos bicudos de queda na publicidade, de audiência, e de gastos milionários com novas plataformas (como a Globoplay), sem falar nos investimentos em novos estúdios.

A Globo está num longo processo de enxugamento que deve durar ainda pelo menos até 2022, segundo esta coluna apurou.

Na semana passada o site "Notícias da TV" publicou com exclusividade que fontes na emissora preveem que o novo modelo de gestão e fusão vai causar até 2.500 demissões, e que a Globo teria no total 15 mil funcionários.

Esta coluna, porém, ouviu outras fontes muito mais pessimistas. Elas afirmam que até o final de 2022 a expectativa é que chegarão a 4.000 os demitidos

Vários setores serão fundidos, outros serão simplesmente eliminados e muitas áreas com sobreposição de funções serão extintas para que fique apenas uma.

Nesse processo não só pessoas, mas até algumas marcas internas poderão desaparecer.

Outras emissoras abertas, como SBT, RedeTV e Band também estão promovendo a conta-gotas demissões.

Apesar de também estar sentindo os efeitos da retração geral do mercado publicitário —em especial o do governo federal— a Record aparentemente ainda tem bala na agulha para apostar em novas contratações.

Se elas vingarão só o tempo dirá.

Ricardo Feltrin no Twitter, Facebook e site Ooops

Ricardo Feltrin