PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Ricardo Feltrin


Rumo a mais um ano, Poliana perde 35% do público desde estreia

Thaís Melchior e Sophia Valverde em cena de "As Aventuras de Poliana" - Reprodução / YouTube
Thaís Melchior e Sophia Valverde em cena de "As Aventuras de Poliana" Imagem: Reprodução / YouTube
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

03/01/2020 09h36

Vem aí mais uma temporada da novelinha infanto-juvenil "As Aventuras de Poliana", do SBT.

E há rumores de que a trama, adaptada por Íris Abravanel, possa ser prolongada até 2021.

Se não houver mudança de decisão por parte de SIlvio Santos, a novela vai passar de 500 capítulos —conforme esta coluna antecipou em novembro de 2017. Eles já passaram de 400.

No entanto, já há um aparente sinal de cansaço dos telespectadores, de acordo com números consolidados medidos pela Kantar Ibope Media na Grande São Paulo, maior mercado publicitário do país.

Desde a estreia, em maio de 2018, "As Aventuras de Poliana" já perdeu cerca de 35% de share (participação no universo de TVs ligadas). Ou seja, cerca de 3,5 em cada 10 TVs ligadas já deixou de acompanhar a trama.

Na comparação com seu melhor mês —junho de 2018— a trama já perdeu em pontos 41% (passou de 15,2 pontos para 9 pontos).

Mais números:

Em pontos e share, passou de 14,6 pontos e 20% de share em maio de 2018 para 9,0 pontos e 13,1% de share.

É verdade, porém, que em dezembro há uma queda sazonal de audiência em toda a TV aberta devido às férias.

E que também há uma parcela de jovens que acompanham a novelinha pelo YouTube.

Mesmo assim desde outubro do ano passado a novela vem registrando apenas um dígito de audiência, o que é inédito.

Apesar de tudo isso a novela do SBT, baseada nos livros de Eleanor Porter (1868-1920), ainda segue na vice-liderança, mas agora já ameaçada pela Record, como o site "Notícias da TV", parceiro do UOL, publicou em dezembro.

Ricardo Feltrin no Twitter, Facebook e site Ooops

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Ricardo Feltrin