PUBLICIDADE
Topo

SBT espera volta de Silvio para mexer na grade; veja o que pode mudar

SBT fechou 2019 em segundo lugar no Ibope nacional  - Reprodução/SBT
SBT fechou 2019 em segundo lugar no Ibope nacional Imagem: Reprodução/SBT
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

30/01/2020 06h30

Resumo da notícia

  • SBT não mexe em nada até a volta de Silvio das férias
  • Emissora de Silvio enfrenta crise e tem pouco fôlego para investir
  • O dono do SBT volta dos EUA em março com muitos problemas para resolver

Todos os anos o SBT vive um trimestre de relativo marasmo entre janeiro e março.

Ao contrário das outras emissoras como o Globo e Record, o SBT quase nunca faz mudanças ou estreias nesse período.

O motivo é que quem decide tudo é Silvio Santos e, como ele está de férias nos EUA, ninguém tem permissão para produzir, contratar ou inventar nada até sua volta.

Tudo bem, ele até comete muitos erros, mas mesmo assim ninguém se atreve a questioná-lo.

Todos os projetos são aprovados —ou não— pelo apresentador e empresário que tem ainda incrível vitalidade e argúcia aos 89 anos de idade.

Veja alguns dos projetos, ideias e estudos que podem mudar a grade do SBT este ano. Mas, repetindo, tudo depende do aval de Silvio

1 - Acordo com Disney

Desde o ano passado, Silvio Santos e o Grupo Disney voltaram a negociar. Os dois mantiveram uma parceria vitoriosa por três anos, mas que acabou em 2018 porque o dono do SBT não estava satisfeito, não só financeiramente, mas também com o conteúdo oferecido pela parceira.

E ele tinha razão.

A Disney tinha total autonomia para decidir o que exibir tanto na programação como nos seus intervalos. Só que, mesmo tendo contrato com o SBT, por algum tempo manteve alguns de seus melhores produtos na grade de parabólica da Globo.

Com o lançamento do serviço de streaming Disney Plus, porém, o conglomerado norte-americano pode ter muito a ganhar.

O SBT seria uma excelente "vitrine" para divulgar o novo produto (que não é destinado especificamente às crianças e, portanto, em tese, poderia ser "anunciado" nos intervalos).

2 - Telejornal à tarde

Silvio Santos ainda não jogou a toalha para a Record, que coloca o SBT em 3º no ibope durante quase todas as tardes. A faixa vespertina é hoje o calcanhar de Aquiles do SBT.

O problema começa por volta do meio-dia, quando a rival começa a exibir "Balanço Geral" e o SBT está com desenhos (quase todos possíveis de se assistir na internet também).

Há anos há dois projetos na cabeça de Silvio: uma revista eletrônica matinal e um telejornal à tarde, que entraria no ar entre 12h e 13h. Até hoje nenhum vingou.

Se entrasse um telejornal vespertino, nesse caso, o "Bom Dia & Cia" e seus desenhos seriam reduzidos.

O problema é que lançar um jornal demanda investimentos, e o SBT não está numa fase de recursos disponíveis para isso.

3 - Renegociação com Televisa

Silvio quer renegociar o lendário e antiquíssimo contrato entre SBT e a mexicana Televisa.

Pelo contrato atual o SBT tem "exclusividade" dos produtos da Televisa. Só que as últimas produções não têm agradado nem a Silvio e nem aos telespectadores do SBT.

E convenhamos que a "exclusividade" também já não é mais lá essas coisas.

Tanto que Silvio não se importou quando a parceira quis vender "Chaves" para o canal pago Multishow (Globosat)

Antes, foi oferecido ao SBT a possibilidade de "cobrir" a oferta do Multishow e manter a exclusividade no país de "Chaves".

Silvio deu de ombros.

4 - Parceria com a Telemundo

A nova versão hispano-americana de "Betty a Feia" está indo muitíssimo bem em audiência comparada com as últimas novelas.

Chega a oito pontos de média em São Paulo (cada ponto = 74,5 mil domicílios). Continua em terceiro, sim, mas ao menos deu um fôlego para a programação subsequente.

Se novos produtos da Telemundo forem tão bem quanto "Betty" isso vai dar mais munição a Silvio para renegociar com a caríssima Televisa. E ter uma nova parceria. Talvez de longo prazo.

Ricardo Feltrin no Twitter, Facebook e site Ooops

Ricardo Feltrin