PUBLICIDADE
Topo

"Aguinaldo Silva mentiu à Record", diz escritor que o processa

Exclusivo: Aguinaldo Silva dá entrevista a Fabíola Reipert, do "Balanço Geral", matéria vai ao ar na segunda (09) - Divulgação/RecordTV
Exclusivo: Aguinaldo Silva dá entrevista a Fabíola Reipert, do "Balanço Geral", matéria vai ao ar na segunda (09) Imagem: Divulgação/RecordTV
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

11/03/2020 07h20

Resumo da notícia

  • Novelista negou existência de processo em entrevista à Record
  • Escritor e ex-aluno de Aguinalo Silva rebate e envia processos à coluna
  • Caso começou em 2017: ex-alunos de Silva dizem ser co-autores de "O Sétimo Guardião"
  • Ainda em 2018 Globo foi contra autor e deu crédito, ela própria, a seus 26 ex-alunos

O escritor Silvio Cerceau diz ter ficado espantado com a entrevista que Aguinaldo Silva cedeu à jornalista Fabíola Reipert, da Record.

Na entrevista, exibida no "Balanço Geral", o ex-novelista da Globo e escritor declarou que nunca soube de qualquer processo por causa da novela "O Sétimo Guardião", e que essa história não passava de uma "lenda urbana".

Em 2017, um ano antes de a novela estrear, ex-alunos de uma oficina de escrita ministrada pelo autor na Casa Aguinaldo Silva exigiram co-autoria na novela.

Segundo eles, todo o início do que seria "O Sétimo Guardião" foi criado e desenvolvido por eles em "sala de aula".

À época. Cerceau divulgou a denúncia e anunciou que iria à Justiça buscar seus direitos. Quem antecipou a história foi o site "Notícias da TV".

"Ele é um mentiroso. Eu estou processando ele, sim. Aliás, não só eu estou processando. Outros seis alunos dele o estão processando também. Aqui (mail) te mando os processos e seus números.", afirmou Cerceau a esta coluna.

Os ex-alunos pediram não só os créditos de co-autores, mas também remuneração pela obra exibida pela Globo.

Ainda em 2018, a Globo fez algo então impensável e inédito: foi "contra" seu funcionário e decidiu dar o crédito, ela própria, aos 26 ex-alunos logo no capítulo de estreia. Os incluiu como co-autores da sinopse e publicou seus nomes.

"Diante das informações e esclarecimentos prestados por Vossas Senhorias, no que diz respeito à novela 'O Sétimo Guardião', de que a sinopse inicial foi desenvolvida pelo autor Aguinaldo Silva a partir de ideias e colaborações de 26 alunos que participaram do curso 'Masterclass', promovido pela Casa de Artes Produções Artística, Literária, Cursos, e Eventos Culturais EIRELI-ME, na cidade de Petrópolis-RJ (sendo certo que os direitos autorais patrimoniais oriundos de tal colaboração já foram cedidos a esta emissora por Termo de Cessão datado de 28 de fevereiro de 2018), a TV Globo informa que concederá os créditos aos mencionados alunos quando da exibição de 'O Sétimo Guardião'", informou à emissora ao Tribunal de Justiça do Rio.

"Essa história do aluno que me processou por plágio é outra lenda urbana. Ele nunca me processou, todas minhas tentativas se desmentir foram em vão, e insistem em dizer que ele me processou. É exatamente o contrário: eu é que estou processando ele por quebra de confidencialidade", declarou Silva à colunista Reipert.

De fato, não houve processo o acusando de plágio, e sim, como a coluna informa acima, para exigir co-autoria.

Autor segue negando

Aguinaldo Silva segue negando a existência (comprovada) das ações.

"É muito simples. Você entra no site da Justiça do Rio de Janeiro, digita o meu nome e o do aluno em questão e tem acesso aos processos", disse inicialmente à coluna, que insistiu —ao que ele respondeu ontem por email.

"Exatamente. Ele nunca me processou e eu o estou processando por quebra de confidencialidade. Seguem abaixo os dados do número, você pode consultar o site da Justiça do Rio de Janeiro pelo número (anexo o número)", respondeu por e-mail. .

Procurado novamente, Cerceau rebateu e desmentiu o autor:

"Esse número de processo que ele enviou se trata de um processo arquivado, conforme se lê nos dados. Esse foi um processo que ele abriu na ocasião da estreia da novela e foi obrigado pela Globo a retirá-lo", afirmou.

Processo por plágio

Aguinaldo Silva sofreria outro processo em 2018 —aí sim, sob acusação de plágio— da escritora Barbara Rastelli.

Autora do livro espiritualista "As Muralhas da Vida Eterna: Uma Metáfora Sobre o Tempo" (2015, editora AgBook, 405 págs), ela acusa a emissora e os autores da trama de terem plagiado não só o cerne, mas vários trechos de seu livro na novela.

A ação segue em tramitação.

"A novela se tornou um bicho de sete cabeças (roteiro) porque o Aguinaldo tentou disfarçar que havia usado nosso argumento (dos ex-alunos). Se tivesse seguido com nossa história a novela não teria sido massacrada pela crítica", afirmou Cerceau a respeito das muitas notas de especialistas em TV, que criticaram o desenvolvimento da história.

Procurada para comentar o assunto, a RecordTV não se manifestou até o momento. Se o fizer, terá sua nota incluída neste texto.

Novela-problema

Com tema baseado em realismo fantástico, "O Sétimo Guardião" foi a novela mais problemática e "zicada" da história da TV Globo.

Um figurante morreu de infarto durante as gravações (Joseph Lima dos Santos, 23), um casal de atores se separou após suposta traição (José Loreto e Débora Nascimento), outro ator foi internado à pressas (Bruno Gagliasso) e um outro (Caio Blat) foi acusado de assédio por atrizes da novela.

Tudo indica que a "zica" ainda está longe do fim.

Ricardo Feltrin no Twitter, e site Ooops

Ricardo Feltrin