PUBLICIDADE
Topo

Após 100 dias, CNN está no top 30, mas ainda longe da GloboNews

Os namorados Mari Palma e Phelipe Siani se beijam, no Live CNN Brasil (Reprodução) - Reprodução / Internet
Os namorados Mari Palma e Phelipe Siani se beijam, no Live CNN Brasil (Reprodução) Imagem: Reprodução / Internet
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

29/06/2020 00h18

Depois de um começo promissor, aproveitando a novidade do produto, o sinal aberto na TV paga e a explosão do noticiário sobre a pandemia de coronavírus, a CNN Brasil perdeu fôlego nas últimas semanas.

Ok, não tem muito do que reclamar, mas também tem pouco a festejar.

Na semana passada ela registrou o pior desempenho em ibope desde sua estreia, em 15 de março.

No dia 24, na média nacional, ela ficou em uma de suas piores posições no ranking da TV paga: 29º lugar. Só não foi pior que o obtido em 12 de abril, quando ficou em 37º.

Já em São Paulo, a CNN Brasil registrou na média da semana passada sua 2ª menor audiência considerando todos os dias: 0,061 (cada ponto na TV paga em SP equivale a cerca de 28,5 mil domicílios).

Apesar dos pesares, para uma emissora tão nova os resultados não são maus e ainda podem melhorar.

Em maio, com apenas dois meses de vida, a CNN Brasil foi o 26º canal mais visto no país, considerando todas as TVs abertas e pagas.

Com 25 anos a mais de idade, a GloboNews foi a 6ª colocada, só atrás de Globo, Record, SBT, Band e RedeTV.

Para a sede da CNN nos EUA, o projeto no Brasil já e considerado vitorioso. O canal já supera no ibope outros muito mais antigos, como Warner e Animal Planet. Está perto da Fox.

Segundo o site "Notícias da TV" publicou com exclusividade na semana passada, a direção da CNN Brasil já está buscando parcerias com outros canais abertos (inclusive UHF), com o objetivo de expandir seu alcance e ibope.

É evidente, porém, que o arrefecimento da pandemia vá mudar todo esse cenário —especialmente para os canais de notícia. Todo assunto com cobertura excessiva chega a um ponto em que se torna enfadonho —mesmo se tratando de uma pandemia.

Do ponto de vista de pessoal a CNN já sofreu uma grande perda: Reinaldo Gottino, um dos principais nomes da nova TV pediu demissão e retornou à RecordTV.

Vale lembrar que a CNN hoje tem um alcance menor que o da GloboNews: o canal só está disponível para pacotes em HD. Já a GloboNews está em todos pacotes acima do minibásico.

Ricardo Feltrin no Twitter, Facebook, Instagram e site Ooops

Ricardo Feltrin