Topo

TV e Famosos

Jornalista Renato Machado se despede do "Bom Dia Brasil" após quase 20 anos

Do UOL, em São Paulo

11/12/2015 08h54

Correspondente internacional da TV Globo e comentarista em Londres, Renato Machado se despediu do telejornal "Bom Dia Brasil" nesta sexta-feira (11). Procurada pelo UOL, a Globo informou que Machado será repórter especial do "Globo Repórter" a partir do ano que vem

"Eu me despeço da velha-nova Londres e do 'Bom dia Brasil'. Na segunda-feira, a Cecília Malan estará aqui. Vamos nos encontrar mais adiante em outras reportagens e outras coberturas", disse.

Ana Paula Araújo disse aguardar pela volta do jornalista ao Rio de Janeiro. " Bem-vindo de volta", afirmou. 

O âncora Chico Pinheiro lembrou o início da parceria com Renato no telejornal matutino da Globo. "Lembro que em janeiro de 1996 estive com você quando começamos esta nova etapa no 'Bom Dia Brasil'. Eu era o seu colaborador de São Paulo", declarou. "Vinte anos de manhãs", encerrou o correspondente.
 
$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2015/apresentadores-ana-paula-araujo-e-chico-pinheiro-se-despedem-do-jornalista-renato-machado-que-deixa-o-bom-dia-brasil-1449831798596.vm')
 
Trajetória
 
Renato Machado trabalhava como correspondente da Globo em Londres desde 2011, quando passou o bastão de apresentador para o jornalista Chico Pinheiro, segundo o site Memória Globo. Ele esteve na função de apresentador e editor-chefe do telejornal por 15 anos.
 
Estreou na emissora no "Globo Repórter", em 1982. Em sua primeira reportagem, acompanhou o comércio de sangue na Baixada Fluminense. 
 
Renato também passou pelo "Fantástico", no qual foi editor e comentarista. Como correspondente, cobriu acontecimentos como a explosão da usina nuclear de Chernobyl, na Ucrânia, em 1986, o impeachment do presidente Fernando Collor, em 1992 e a morte do piloto Ayrton Senna, em 1994.
 
Tornou-se um dos responsáveis pela reformulação do formato do "Bom Dia Brasil". "Havia a necessidade de o jornal ter uma conversa um pouco mais informal, para que o telespectador acordasse de manhã e não tivesse o impacto de um noticiário lido, e sim de um noticiário conversado e comentado", disse para o Memória Globo.
 

Mais TV e Famosos