PUBLICIDADE
Topo

TV e Famosos

Radionovela de "Êta Mundo Bom" revive teatro com vozes de Hollywood

Paulo Pacheco

Do UOL, em São Paulo

09/03/2016 07h00

"Êta Mundo Bom", novela das seis da Globo, tem outra novela dentro da própria trama. Os personagens da história de Walcyr Carrasco são ouvintes assíduos da radionovela "Herança de Ódio". Eponina (Rosi Campos), por exemplo, sempre aparece ao lado de seu aparelho de rádio, e Candinho (Sergio Guizé) é fascinado pela protagonista e a imagina "loira de olhos azuis".

O curioso é que "Herança de Ódio" tem no elenco vozes de atores consagrados de Hollywood. Os dubladores Ricardo Schnetzer (Al Pacino e Richard Gere), Mônica Rossi (Sharon Stone e Demi Moore) e Gutemberg Barros (Arnold Schwarzenneger e Harrison Ford) foram escalados pela Globo para a radionovela.

"O teste foi substancialmente com dubladores profissionais. Temos na nossa radionovela vozes que qualquer um que vê filmes na 'Sessão da Tarde' vai reconhecer. Quisemos brincar com isso e trazer a fantasia do áudio para os avós ouvirem e apresentarem aos netos", explica Diego Morais, diretor de "Êta Mundo Bom" e "Herança de Ódio".

Gravada no mesmo estúdio de "Êta Mundo Bom", a radionovela tem mais três dubladores: Gustavo Nader, que empresta sua voz a Leonard (Johnny Galecki) em "The Big Bang Theory", Duio Botta (dublador de novelas mexicanas do SBT) e Jéssica Marina, de filmes como "Harry Potter e o Cálice de Fogo" e "À Espera de um Milagre". Ela também fez o ator Gary Coleman, protagonista da série "Arnold".

"O que estou fazendo na radionovela não tem nada a ver com dublagem, porque crio um personagem com voz própria, não estou colocando uma voz em cima. É um trabalho de construção de personagem, mais próximo do teatro", compara Ricardo Schnetzer, que interpreta o banqueiro corrupto Colman em "Herança de Ódio".

Efeitos sonoros têm milho, coco e papel celofane

Além das vozes conhecidas e do clima teatral, "Herança de Ódio" chama atenção pelos efeitos sonoros. Assim como nas radionovelas antigas, em "Êta Mundo Bom" os sons e ruídos são feitos manualmente. Placas de alumínio, por exemplo, imitam o barulho de trovões.

"Walcyr [Carrasco] pede o roteiro completo, inclusive como se faz o som. Cavalo, por exemplo, cada um faz de um jeito. Sabe quem popularizou o cavalo com som de coco? Jô Soares no 'Viva o Gordo'. Carro é feito com enceradeira. Chuva é feita com grãos de milho e arroz dentro de bexiga", exemplifica Otávio Martins, autor da radionovela de "Êta Mundo Bom".

O responsável pelos efeitos sonoros é o ator Cláudio Tovar, que interpreta o sonoplasta Evandro. "Fogo a gente faz amassando papel celofane. Trem antes era arrastando uma escova, aí descobri que aquele chacoalho de berimbau era melhor. Vejo coisas e procuro pelo som delas. Estou com essa mania, pirei no som", brinca.

Radionovela na novela

Com mais de 40 capítulos gravados, "Herança de Ódio" aparece em algumas cenas de "Êta Mundo Bom" e é produzida pela equipe da trama de Walcyr Carrasco para o site da novela na Globo, que mostra como a produção é feita. A radionovela também é veiculada na rádio Globo.

"Herança de Ódio" foi escrita pelo roteirista e diretor teatral Oduvaldo Viana (1892-1972). Otávio Martins relembra como foi o convite para adaptar a trama: "Walcyr [Carrasco] assistiu à minha peça 'Caros Ouvintes', sobre o final da radionovela. Ele conversou comigo e falou que queria escrever uma radionovela com essa pegada, com toques do humor da época".

Dois atores da radionovela também atuam em "Êta Mundo Bom". O sonoplasta Evandro mora na pensão de Camélia (Ana Lúcia Torre). Rosane Gofman interpreta Olímpia Castelar, atriz que dá vida a Cristina em "Herança de Ódio". Ela é amiga de Anastácia (Eliane Giardini), dona da empresa que patrocina a radionovela.

"A radionovela tem um tom mais impostado. A interpretação era diferente, mais dramática e segue a época da novela. Tem até uma graça, porque sou uma senhora gorducha e as pessoas imaginam uma mocinha de cabelos loiros, e o galã é um baixinho. Muito bom fazer", afirma Rosane Gofman.

"Herança de Ódio" deverá terminar juntamente com "Êta Mundo Bom", em setembro. Nos próximos meses, a radionovela aparecerá cada vez mais na novela, e Candinho deverá realizar o sonho de conhecer a rádio, como antecipa Walcyr Carrasco: "Candinho deverá conhecer a rádio, mas ainda estou esperando o momento certo".

TV e Famosos