Topo

TV e Famosos

Cidade cenográfica de "Liberdade, Liberdade" reconstrói Vila Rica no Rio

Giselle de Almeida

Do UOL, no Rio

18/04/2016 07h00

Algumas sequências externas nos arredores da cidade de Diamantina ajudaram a dar a autenticidade mineira a "Liberdade, Liberdade", mas é dentro dos Estúdios Globo, na Zona Oeste do Rio, que fica a Vila Rica (atual Ouro Preto) retratada na ficção de Mario Teixeira. Num espaço de 4 mil metros quadrados, cerca de 30 prédios, incluindo uma igreja, uma taverna e um mercado, reproduzem um pouco da cara do Brasil colônia que serve de pano de fundo para a história de Joaquina (Andreia Horta).  

"A gente inventou a Vila Rica de antigamente. Se você for lá hoje, é uma cidade pintadinha de branco, colorida. Pensamos: 'Será que era assim mesmo?'. Tendi a pensar que talvez não houvesse tantas cores. Então a gente trouxe mais predominância de tons ocre, branco sujo, madeira escura", explica o diretor geral da trama Vinícius Coimbra.
 
Textos sobre a vida privada no Brasil na época serviram de referência para a produção de arte, comandada por Marco Cortez, mobiliar as construções. Simplicidade é a palavra de ordem. "Definitivamente era uma vida privada de luxos, pouquíssimos móveis. As pessoas comiam com a mão. Segundo o inventário de Tomaz Antonio Gonzaga (ativista da Inconfidência Mineira), quem era rico tinha seis talheres. Tentamos retratar essa vida espartana", afirma o diretor.
 
Entrar na cidade cenográfica significa sujar o sapato de barro, ver-se cercado de mato e não estranhar a circulação de cavalos e o rastro de excrementos que eles deixam no local. Muito pouco perto do que era a cidade na época, já que não havia esgoto e as pessoas jogavam os dejetos pela janela.
 
"Era uma cidade praticamente de aventureiros. Quando acabava a exploração do ouro acabava a cidade. Era uma espécie de Serra Pelada na época. O século 18 é pouquíssimo documentado. Fizemos pesquisa por meio de gravuras, mas a gente teve que praticamente imaginar como seria esse lugar", conta o diretor de arte Mario Monteiro, que comandou a construção da cidade com os cenógrafos Paulo Renato, Márcia Inoue e Kaka Monteiro.
 
Além da busca em antiquários mineiros e em acervos de colecionadores de antiguidades, a equipe de produção precisou adaptar algumas peças, que passaram por um processo de envelhecimento. E a marcenaria teve um processo diferente nesta novela: passou longe da perfeição, a pedido do diretor.
 
"Minha briga com eles é que as coisas sejam irregulares. A máquina moderna faz um arco perfeito, mas não pode ser perfeito, porque na época não era. Você percebe uma irregularidade na arquitetura", comenta Vinícius.
 

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais TV e Famosos