PUBLICIDADE
Topo

Famosos

"É um tipo de talento que não se busca mais", diz Artur Xexéo sobre Hebe

Artur Xexéo no lançamento da biografia "Hebe" em uma livraria do Leblon, zona sul do Rio - Anderson Borde/Ag.News
Artur Xexéo no lançamento da biografia "Hebe" em uma livraria do Leblon, zona sul do Rio Imagem: Anderson Borde/Ag.News

Giselle de Almeida

Do UOL, no Rio

11/05/2017 09h12

Hebe Camargo participou da primeira passeata contra o governo do João Goulart, em 1964, a Marcha da Família com Deus pela Liberdade. Há registro em foto da saudosa apresentadora ao lado de outras mulheres pedindo "Abaixo João Goulart". Ao ser questionada sobre, ela garantiu que a motivação para o ato não foi nem um pouco política.

"Ela disse que estava saindo do cabeleireiro e viu aquelas mulheres passando, tão felizes e foi atrás. Ela diz que não sabia, não sei se é verdade", conta aos risos o jornalista e escritor Artur Xexéo, que lançou a biografia "Hebe" (editora Record) nesta quarta-feira (10), no Rio.
 
Além de histórias curiosas como está, a carreira de cantora de Hebe ganha destaque no livro - segundo o autor, a parte que ele julgava ser menos conhecida do público. 
 
"Ela era uma mulher muito espontânea, não guardava muitos segredos. Ia para a TV e dividia com os telespectadores as particularidades dela. O medo que eu tinha era de não ter novidade para contar", afirma.
 
"Ela cantava muito Carmen Miranda, tinha uma coisa brejeira. Mas quando ela pôde impor o que ela gostava foi muito bom. Cantou muita bossa nova, Vinicius, Tom Jobim, Baden Powell. Foi produzida pelos melhores produtores de discos do Brasil, e todos se derretem por ela. Porque era uma grande cantora, era afinadíssima, não errava, gravava de primeira", lembra.
 
Parte de uma geração "criada por babá eletrônica", Xexéo diz que a ligação com Hebe remete aos tempos em que assistia à televisão com a avó materna. "No dia do programa da Hebe parava tudo. O que ela fazia era entreter, mesmo na entrevista. Quando ela conseguia uma gargalhada, ela ficava feliz. A pergunta deu certo", conta.
 
Mesmo conhecedor da vida e da obra da artista, o escritor disse que se surpreendeu com algumas descobertas durante a pesquisa.
 
"Eu tinha uma imagem da dondoca, que vai muito ao cabeleireiro, que está sempre renovando o louro do cabelo, as joias... E eu descobri uma mulher muito generosa, solidária, muito amiga das pessoas, que me impressionou muito", afirma.
 
Para o jornalista, não existe substituta para Hebe Camargo hoje em dia. "É um tipo de talento que acho que não se busca mais. Muito versátil, cantora e apresentadora, muito íntima da televisão, muito rainha do auditório. É um tipo de tarefa que não se faz mais", analisa.
 
A noite de autógrafos, numa livraria na zona sul do Rio, reuniu famosos como a autora Maria Adelaide Amaral e os cineastas Zelito Viana e Sandra Kogut. 
 
A atriz Jacqueline Laurence lembrou que Hebe era "uma rainha, uma dama recebendo as pessoas". Amiga da apresentadora, a cantora Rosemary afirmou que a loura era "uma mulher única, sempre de bom humor, do bem".
 
Também esteve presente no lançamento o empresário Cláudio Pessutti, sobrinho de Hebe, que cuidou da carreira artística dela durante anos. Segundo ele, vários outros projetos em homenagem à tia estão em andamento, como uma exposição, que deve ser inaugurada em São Paulo antes de rodar o país, um filme, um documentário, uma minissérie e um musical. 
 
"Uma história como a dela não dá para contar em um livro só. Todos esses projetos serão um complemento", adiantou.

Famosos