Topo

Televisão

"Quitei apê e dei o dízimo", diz Dayse sobre prêmio do "MasterChef"

Arquivo pessoal
Dayse, vencedora da primeira edição do "MasterChef Profissionais" Imagem: Arquivo pessoal

Felipe Pinheiro

Do UOL, em São Paulo

05/09/2017 04h00

Ganhadora da primeira edição do “MasterChef Profissionais”, Dayse Paparoto superou os próprios fantasmas com a passagem pela competição de culinária da Band. Às vésperas da nova temporada com chefs experientes, que estreia nesta terça (5), a paulista de 32 anos contou ao UOL que a vida melhorou bastante e, mais importante do que o prêmio de R$ 170 mil, conta ter sido a vitória pessoal que conquistou.

Arquivo pessoal
Dayse diz que não se vê como celebridade e que tem a mesma vida simples de antes de se tornar conhecida Imagem: Arquivo pessoal
“Nunca foi meu sonho entrar no ‘MasterChef’. Quando diziam para eu meu inscrever, eu pensava: ‘Vou passar vergonha’. Eu era muito insegura. Foi a dona do restaurante [onde trabalha] que me incentivou. Fiz um ovo poché e, de 10 mil inscritos, fui selecionada. O programa ajudou na minha autoconfiança. Antes eu morria para fazer jantar em algum lugar e hoje faço eventos por vários lugares do Brasil. O ‘MasterChef’ me deu segurança”, diz.

Para Dayse, o programa ajuda a dar visibilidade a trabalhos de chefs profissionais, mas nem por isso é menos arriscado. Se não houver cautela ou esperteza, acredita, o programa pode até arruinar a carreira de quem participa.

“É um risco porque o público não entende que o chef não é necessariamente obrigado a saber todas as culinárias. As pessoas acham que se ele cozinha, tem que saber de tudo. Lógico que a gente sabe as coisas básicas, mas focamos no que a gente mais gosta. É um risco para a imagem e a carreira como um todo. Eu encarei o risco, mas acho muito perigoso."

Os riscos ela soube driblar durante a competição e agradou o trio de jurados formado por Henrique Fogaça, Erick Jacquin e Paola Carosella. Como efeito da exposição em rede nacional e da segurança que ganhou, Dayse passou a ter uma situação financeira bem mais favorável. Hoje ela dá palestras, tem um quadro no programa “Quatro Estações”, da VTV, afiliada do SBT, e ganha com publicidade -- além de continuar no mesmo restaurante em que trabalhava antes do programa.

“Deixei a minha equipe mais inchada para que eles conseguissem trabalhar quando não estivesse no restaurante [para suas viagens]. A clientela aumentou cerca de 30%. Nunca tinha viajado para o exterior e fui convidada para cozinhar no Timor Leste só para embaixadores e alta sociedade. Também fui para Cingapura, Tailândia, Bali, Camboja... O dinheiro [do prêmio] usei para quitar meu apartamento e dei o dízimo”, diz ela, que costumava rezar e dedicar as vitórias a Jesus.

Evangélica há sete anos, Dayse conta que foi pela fé que entrou no programa. “Desde o primeiro episódio, nunca entrei no estúdio sem orar. Eu fiquei muito apavorada. Eu creio que Deus me colocou dentro do ‘MasterChef’ por um propósito dele mesmo. Minha fé é o que me ajuda em tudo que eu faço, não só no programa”, afirma.

Divulgação/Band
Dayse Paparoto venceu a primeira temporada do "MasterChef Profissionais" Imagem: Divulgação/Band
 

“Já levei tapa de chef na cozinha”

A primeira edição com profissionais ficou marcada pelo debate sobre machismo que dominou os telespectadores nas redes sociais. Mesmo sem nunca ter tomado a iniciativa, Dayse virou símbolo na luta contra o preconceito que sofrem mulheres na cozinha. Ela lembra de ter ficado impressionada com a repercussão.

“Eu fiquei surpresa [com a repercussão] porque nunca levantei essa bandeira. Os homens ficam sentidos mesmo quando veem uma mulher se destacando mais do que eles. Acho que é da própria natureza masculina. Mas tem tantos anos que eu trabalho na cozinha, que já aprendi a lidar com isso. Todos meus chefes eram homens. Já cheguei a levar tapa de chefe. Sabe quando você já está tão calejado? Não vejo isso como machismo. Para mim é como se fosse da profissão mesmo.”

Todos meus chefes eram homens. Já cheguei a levar tapa de chefe. Sabe quando você já está tão calejado? Não vejo isso como machismo. Para mim é como se fosse da profissão mesmo”

Ao narrar a própria experiência, ela explica por que não acha que tenha sido vítima de machismo: “Encaro como algo normal. Sei que hoje nas cozinhas não acontece mais isso, mas eu via acontecendo isso comigo e com meninos também. Então por isso não achava que era uma coisa machista. Eu achava que era uma coisa do universo da cozinha.”

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!