Topo

Famosos

Mãe aos 50, Márcia Goldschmidt processa hospital após filha perder fígado

Reprodução/Record
Márcia Goldschmidt é entrevistada no programa "Balanço Geral", da Record Imagem: Reprodução/Record

Do UOL, em São Paulo

24/10/2017 14h31

Atualmente vivendo em Portugal, Márcia Goldschmidt voltou ao Brasil para acompanhar o tratamento da filha, Yanne, de cinco anos, que precisou de um transplante de fígado após contrair uma infecção no hospital português onde nasceu. A apresentadora, que tornou-se mãe de gêmeas aos 50 anos por fertilização, afirmou que está processando a maternidade por causa da doença da bebê.

"As meninas nasceram prematuras de seis meses, porque eu tive pré-eclâmpsia, e por causa disso o parto teve que ser antecipado e as meninas ficaram três meses na UTI neonatal. Durante esse período, a Yanne contraiu uma infecção hospitalar. A Yanne não precisou de um transplante porque a mãe dela teve uma gravidez tardia, tanto que a Vitória não precisou de nada. Ela precisou de um transplante porque ela foi infectada no hospital, e essa infecção e o diagnóstico tardio dos médicos em Portugal levou à perda do fígado, à cirrose", contou Márcia ao programa "Balanço Geral", da Record.

"Estamos [processando]. Uma pessoa com a minha personalidade não poderia agir diferente. Se não seria falso, porque as pessoas acreditam que eu sou e eu não seria", complementou a apresentadora.

Quem salvou a vida de Yanne foi o filho mais velho de Márcia, James, de 23 anos. Ele doou parte do fígado para a irmã caçula: "Ele está ótimo, o fígado dele já está normal, já cresceu, já regenerou.

Após o sucesso durante mais de 15 anos na TV, Márcia deixou o Brasil com o marido português e trocou a carreira de apresentadora pela vida de dona de casa. Ela não se arrepende da mudança e valoriza a nova fase de sua vida.

"Hoje eu sou uma dona de casa. Eu trabalhei a maior parte da minha vida para as donas de casa e hoje eu me tornei uma delas. Sempre valorizei, mas agora, cada vez mais, dona de casa é a profissão mais ingrata do mundo. Você não tem folga, não tem salário, não tem reconhecimento, é um trabalho que não acaba, você acabou e começa. Donas de casa, vocês são as verdadeiras heroínas", elogia.

Feliz fora da TV, Goldschmidt revelou ao "Balanço Geral" que recebeu propostas para retornar à televisão, mas não sabe se aceitará o convite. Por enquanto, ela visita o Brasil para tratar a filha no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, mas se mostrou triste com o atual momento do país.

"Cheguei aqui ao Brasil e tive um misto de nostalgia e desencanto. Dá saudade, mas ao mesmo tempo um desencanto com o país. Nossa, o Brasil está assim? Que horror!", lamentou.

Márcia também relembrou que ficava mal ao ser chamada de "barraqueira" por causa dos arranca-rabos entre os familiares que participavam de seus programas.

"Fui pioneira em um formato na televisão e paguei o preço desse pioneirismo. Durante muito tempo, as pessoas me chamavam de barraqueira e aquilo me fazia mal, porque eu falava: 'Gente, eu não estou fazendo barraco, a vida das pessoas é que é essa confusão'. Depois, passei a ser aceita. Eu me intimidei muito, queria me esconder", recordou.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!