PUBLICIDADE
Topo

Televisão

"Diretor dos Trapalhões reclamava que eu ria demais", revela Dedé Santana

No "Conversa com Bial", Dedé Santana conta como conseguiu carta branca para rir após reclamação de diretor de "Os Trapalhões" - Reprodução/Globo
No "Conversa com Bial", Dedé Santana conta como conseguiu carta branca para rir após reclamação de diretor de "Os Trapalhões" Imagem: Reprodução/Globo

Colaboração para o UOL

25/10/2017 08h14

Dedé Santana recordou os tempos de "Os Trapalhões" e momentos difíceis de sua vida ao dividir o sofá do "Conversa com Bial" de terça-feira (24) com Edu Sterblitch. O eterno trapalhão lembra de um desentendimento com o diretor do programa, nos tempos em que fazia o público rir ao lado de Didi, Mussum e Zacarias.

"Eu nem me considerava Trapalhão, me achava um fã deles, ficava rindo. Uma vez o [Walter] Lacet [diretor geral do programa] foi reclamar pro Boni [diretor da Globo] que eu ria demais. O Boni puxou um papel e disse: 'eles dão quase 90 [pontos] de audiência, deixa o Dedé rir à vontade", recorda.

Ele elogia os ex-colegas do humorístico. "Tenho orgulho de ter levado o humor circense para a televisão. O Mussum era um grande comediante, o Zacarias um grande ator e Dedé e Didi eram dois palhaços". E como o politicamente correto influencia no humor hoje em dia?

"Nós, mais antigos, tínhamos oportunidade de errar. Esses meninos de hoje são heróis até, não têm o direito de errar. E estão de parabéns, estão acertando", elogia, lembrando ainda o trágico dia da morte de seu pai.

"O circo estava bem ruinzinho. Pegamos material para pintá-lo e enfeitá-lo, para pagar depois. Deu certo, vendemos todos os ingressos antes da estreia. No dia meu pai foi buscar mais uma lata de tinta, foi atropelado e morreu. Ficamos sem saber o que fazer, levamos ele para trás do circo para velar em uma barraca".

Por conta das condições da família, o show teve de continuar. "Minha mãe, uma mulher muito forte, disse: 'vamos trabalhar. se não não vamos ter dinheiro para fazer o enterro'. Eu e meu irmão velávamos meu pai. A gente entrava no picadeiro, eu era o palhaço e meu irmão, o ajudante. O público rindo e, quando a gente virava, estava chorando. Foi um momento difícil na minha carreira", emociona-se.

Televisão