Topo

Televisão

Globo é expulsa com empurrões pela Guarda Civil em protesto na Câmara de SP

Reprodução/TV Globo
Cinegrafista da Globo é expulso da Câmara Municipal de São Paulo Imagem: Reprodução/TV Globo

Do UOL, em São Paulo

12/12/2017 19h47

A Globo foi expulsa pela GCM (Guarda Civil Metropolitana) da Câmara Municipal de São Paulo, na tarde desta terça-feira (12). O repórter cinematográfico Marcelo Campos registrou o momento em que os agentes o mandaram sair a empurrões enquanto tentava trabalhar durante o protesto de estudantes contra o projeto de lei Escola Sem Partido. As imagens foram exibidas pelo telejornal "SPTV 2ª Edição".

"A sessão de hoje na Câmara Municipal de São Paulo terminou em violência, confusão e tentativa de coibir a liberdade de imprensa. Tudo começou quando um grupo de estudantes que acompanhava o trabalho dos vereadores fez um protesto. Os manifestantes foram retirados à força pela Guarda Civil Metropolitana, que também agiu com truculência contra o trabalho da nossa equipe", disse a apresentadora Michelle Barros no início do telejornal.

Em seguida, a Globo mostrou o início do protesto dos estudantes e a ordem do presidente da Câmara Municipal, o vereador Milton Leite (DEM), para a GCM expulsar os manifestantes. Enquanto o cinegrafista registrava a ação truculenta dos guardas, uma agente se aproximou do profissional questionando se ele tinha autorização para estar ali.

"Ela acabou de liberar a gente", disse o repórter cinematográfico da Globo. "Ela quem?", insistiu a guarda, tentando desviar a câmera que a filmava. "A assessoria... Não põe a mão da câmera, não precisa pôr a mão na câmera", reagiu o cinegrafista Marcelo Campos.

Reprodução/TV Globo
Guarda Civil Metropolitana questiona autorização de cinegrafista da Globo Imagem: Reprodução/TV Globo
Na sequência, a guarda pediu a um colega para expulsar o cinegrafista: "Eu preciso tirar a Globo daqui. Eu preciso tirar a Globo daqui. Tira ele! Tira ele! Ele está sem autorização!". O profissional se negou a sair: "Não, não, não, não!".

O guarda, identificado como "subinspetor Salles", empurrou o cinegrafista da Globo e bateu na câmera até retirá-lo da sala. "Por favor, não tem autorização!", gritou. "Não precisa por a mão!", retrucou o profissional. "Então coopera!", disse o agente.

Em outro momento, o cinegrafista alegou ter sido agredido pelo guarda municipal. "Mas não precisa empurrar! Eu estou saindo! [...] Não precisa bater na minha cara! Você está batendo na minha cara!", gritou Marcelo Campos. "Eu estou pedindo para você sair!", respondeu o guarda.

Indignada, a Michelle Barros ressaltou que, segundo a Câmara, a imprensa não precisa de autorização por ser uma audiência pública.

"Lastimável, o mínimo. Sobre não termos autorização para gravar, como foi dito pelos guardas metropolitanos que expulsaram a nossa equipe, o chefe da assessoria de imprensa da Câmara Municipal, Luís Carlos Eblk, reafirmou que não precisamos de autorização para gravar lá porque as audiências são públicas. O presidente da Câmara, Milton Leite, do DEM, disse que ordenou apenas a retirada de dois estudantes das galerias e que em caso de manifestações e tumultos é recomendável que as equipes de reportagem não fiquem no local para sua própria segurança. Tem que ser de todo mundo, né?", disse a apresentadora.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!