Topo

Televisão

TV Cultura apaga enquete sobre apoio a "golpe militar" após críticas

Reprodução/TV Cultura
O historiador Leandro Karnal, a apresentadora Joyce Ribeiro e o sociólogo Jessé de Souza no "Jornal da Cultura" Imagem: Reprodução/TV Cultura

Do UOL, em São Paulo

11/05/2018 13h35

O "Jornal da Cultura" perguntou ao público no Twitter: "Você seria a favor de um golpe militar para frear uma escala de criminalidade?". A enquete, divulgada na última terça-feira (8), gerou tantas críticas entre telespectadores e seguidores que o telejornal recuou e decidiu excluir a publicação.

A enquete foi publicada após o "Jornal da Cultura" ter exibido uma reportagem sobre uma pesquisa na qual 53,2% dos entrevistados apoiariam um golpe militar se o país estivesse diante de um quadro de muita criminalidade, segundo o Instituto da Democracia e da Democratização da Comunicação.

A enquete no Twitter do telejornal, porém, desagradou tanto seguidores contrários a uma ditadura militar quanto quem é a favor de um regime militar (pelo uso da palavra "golpe").

Alguns telespectadores lembraram que Vladimir Herzog, diretor de telejornalismo da Cultura nos anos 70, foi torturado e assassinado no DOI-Codi (centro de repressão do Exército), em 1975.

"Você apoiaria o regime que fez isso a um grande jornalista funcionário desta casa?", criticou um seguidor com a foto de Herzog enforcado, forjada por militares para encobrir o assassinato. A redação de jornalismo da Cultura, aliás, se chama Vladimir Herzog.

Reprodução/Twitter
"Jornal da Cultura" apagou no Twitter enquete sobre "golpe militar" Imagem: Reprodução/Twitter
A enquete chegou a ter 65% de votos a favor do golpe militar, mas o "não" virou para 56%. Após mais de 11 mil votos, a Cultura apagou a enquete e, na última quinta, se retratou também no Twitter.

"Com o objetivo de estender o debate às redes sociais, publicamos durante a transmissão da matéria a pergunta feita pela pesquisa. A enquete sem contextualização abriu espaço para interpretações que em nada representam a intenção da emissora", esclareceu a emissora.

"Repudiamos todo e qualquer discurso que tente justificar a imposição de um regime que ameace os direitos humanos, cientes de que só pelo Estado Democrático de Direito é possível construir uma sociedade justa, igualitária e consciente de um passado que jamais deve se repetir", concluiu.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!