Topo

Segundo Sol

Ex-prostituta que inspirou Letícia Colin esbanja vida de luxo no Instagram

Reprodução/Instagram
Gabriela Natalia Silva em aeroclube no interior de São Paulo Imagem: Reprodução/Instagram

Carolina Farias

do UOL, no Rio

07/06/2018 04h00

Para ajudar na construção de sua personagem em "Segundo Sol", Letícia Colin estudou o comportamento de garotas de programa de luxo com um perfil parecido ao de Rosa. Uma dessas mulheres era conhecida como Lola Benvenutti, garota de programa que lançou um livro didático para mulheres apimentarem a relação com seus pares e ficou conhecida no começo desta década ao revelar sua rotina.

Com uma trajetória parecida à de Bruna Surfistinha, nome de guerra de Raquel Pacheco, ela mantinha um blog com mais de um milhão de acessos mas, deixou para trás a vida de programas ao ficar noiva de um milionário. Hoje, Gabriela Natália Silva, mostra no Instagram uma rotina de viagens e luxo ao lado do marido, o co-fundador da Azul Linhas Aéreas e hoje CEO da ModernLogistcs , Gerald Blake Lee.

Paulo Belotte/Globo
A atriz Leticia Colin, que vive a prostituta Rosa, no lançamento de "Segundo Sol" Imagem: Paulo Belotte/Globo
Segundo Letícia, o que ela aprendeu sobre o mundo da prostituição com o que pesquisou também a fez entender o sentimento de Rosa.

"Descobri histórias na internet, em entrevistas incríveis, como o material de Lola Benvenutti. Essas meninas que são estudantes, que pagam a faculdade, que têm o pensamento organizado em relação à sua sexualidade. Foi rico e vi que o buraco é mais embaixo. A Rosa vai vendo que talvez esse mundo não seja tão simples quanto imaginava, ela vai desvendar isso", explicou Letícia, durante a festa de lançamento da trama, no Rio.

Reprodu??o/Instagram
Gabriela adora Londres e usar peças e acessórios de marcas internacionais como a de sua bolsa Louis Vuitton Imagem: Reprodu??o/Instagram
Gabriela é formada em letras pela UFSCar (Universidade Federal de São Carlos) e seu diferencial no mundo das garotas de programa era exatamente sua educação e postura diante de assuntos sobre sexo. "Alguns diziam que queriam transar com meus neurônios", disse a jovem em uma entrevista à Marília Gabriela no "Gabi  Quase Proibida" em 2013. Hoje com 26 anos, ela foi prostituta dos 17 aos 22 e dizia que fazia programa porque queria, já que era de classe média, realidade bem diferente da maioria das mulheres que entram nessa vida.

Reprodução/Instagram
Gabriela no Copacabana Palace, com vestido Dolce and Gabanna de aproximadamente R$ 13 mil Imagem: Reprodução/Instagram
Atualmente, ela faz mestrado na mesma área na Unesp (Universidade Estadual Paulista) e divulga em um perfil do Instagram o que está lendo, a pedido dos seguidores. Além dos livros, Gabriela também compartilha outras paixões em imagens na rede social como tatuagens, viagens a Londres, motos Harley-Davidson e marcas internacionais. Da antiga vida de garota de programa, o que Gabriela ainda faz é dar entrevistas sobre assuntos como regulamentação da profissão de prostitutas, aborto e feminismo.

Reprodução/Instagram
Gabriela adora postar fotos de Londres; na imagem, aparece com uma carteira Chanel de R$ 4 mil Imagem: Reprodução/Instagram
Seu "fotógrafo" na rede social é o marido apaixonado, que também tem uma vida interessante. Lee começou a vida profissional lavando pratos, foi policial em Nova York, se formou advogado e entrou em uma investidora. Um dia veio para o Brasil quando trabalhava na companhia aérea Jet Blue e ficou. Aqui fundou a Azul Linhas aéreas e hoje sua empresa é a única empresa de logística aérea com frota própria.

Newsletters

Mauricio Stycer traz análises exclusivas sobre TV e Famosos.

Quero receber