PUBLICIDADE
Topo

Televisão

Diretor do SBT se surpreende com sucesso de "Poliana": "Esperava 13 pontos"

Mirela (Larissa Manoela) e Guilherme (Lawrran Couto) em cena da novela "As Aventuras de Poliana", do SBT - Lourival Ribeiro/SBT
Mirela (Larissa Manoela) e Guilherme (Lawrran Couto) em cena da novela "As Aventuras de Poliana", do SBT Imagem: Lourival Ribeiro/SBT

Guilherme Machado

Do UOL, em São Paulo

18/07/2018 14h49

Os resultados positivos da novela "As Aventuras de Poliana", que tem alcançado constantemente a casa dos 16 pontos no Ibope em São Paulo, deixaram a alta cúpula do SBT bastante satisfeita. Ao UOL, o diretor artístico da emissora, Fernando Pelegio, declarou que já esperava que a trama de Íris Abravanel obtivesse êxito, mas se surpreendeu com os resultados. 

"Eu sabia que ia ser o maior sucesso da dramaturgia do SBT, não tinha dúvida. Agora, 16 pontos de média... Eu jurava que ia ser uns 13, 14 no máximo. É uns três pontos acima do que eu esperava", afirma.

Fernando Pelégio, Dalton Vigh, Iris Abravanel e Reynaldo Boury - Lourival Ribeiro / SBT - Lourival Ribeiro / SBT
Fernando Pelégio, Dalton Vigh, Iris Abravanel e Reynaldo Boury, parte da equipe artística do SBT
Imagem: Lourival Ribeiro / SBT
Pelegio também diz que o sonho agora é poder viabilizar um segundo horário fixo para a dramaturgia --atualmente, o SBT exibe apenas uma trama original, com reprises e novelas mexicanas ocupando outros horários.

"É um sonho já antigo do SBT ter um segundo horário de dramaturgia. A gente sabe que é muito caro, é um transatlântico, né?". E será que o patrão Silvio Santos opina muito sobre esse transatlântico? "Quando é preciso, ele toma as decisões, sim. Quando as coisas chegam para ele, ele toma decisão", diz Pelegio.

Novos caminhos

O SBT tornou-se mestre em produzir histórias voltadas para o público infantojuvenil e adolescente. Aliás, é a única emissora de TV aberta atualmente no Brasil que investe em produções voltadas a esse público. Pelegio esclarece que as novelas da casa não são voltadas somente para crianças.

"Mais de 80% das pessoas que assistem 'Poliana' têm mais de 18 anos. Não fazemos [novelas] para o público infantil. A gente usa, sim, protagonistas infantis, mas a gente gosta de falar que é um conteúdo familiar. São temas que o papai, a mamãe, o vovô e a criança podem assistir juntos, sem sustos, sem constrangimentos. A gente apostou nesse tipo de dramaturgia e está aí o sucesso de 'Poliana'. Não é um desenho do Barney", defende o diretor.

Larissa Manoela e o diretor artístico Fernando Pelégio - Lourival Ribeiro / SBT - Lourival Ribeiro / SBT
Larissa Manoela e o diretor artístico Fernando Pelegio durante a renovação de contrato da atriz com a emissora
Imagem: Lourival Ribeiro / SBT

Tudo isso reverbera no projeto mais recente da emissora: a série "Z4", que é produzida em parceira com a Disney, sendo também transmitida pelo Disney Channel. Com estreia na TV aberta prevista par a próxima quarta-feira (25), a série de 26 episódios -- duas temporadas com 13 cada --conta a história de Zé Toledo (Werner Schünemann), um empresário musical que fez sucesso nos anos 80, mas que enfrenta o ostracismo, e vê a chance de se reerguer unindo uma nova boy band. 

"Começamos a conversar [sobre o 'Z4'] há três anos. O SBT e a Disney são emissoras que têm princípios muito próximos. Isso nos orgulha, a Disney é hoje a maior empresa de entretenimento do mundo, Os valores, os princípios da Disney bate com o SBT. Não é fácil viabilizar uma série de TV no horário nobre, foi uma jornada", vibra Fernando Pelegio.

Televisão