Topo

Televisão

Repórter da Record Rio quebra a perna ao ser atropelado durante jornal

Reportagem/Instagram
Dennes Queiroz, da Record RJ, que foi atropelado durante reportagem Imagem: Reportagem/Instagram

Carolina Farias

Do UOL, no Rio

31/08/2018 21h01

Um repórter da TV Record no Rio de Janeiro foi atropelado por uma moto enquanto esperava para fazer uma entrada ao vivo no "Cidade Alerta" local, na noite de quinta-feira (30). Dennes Queiroz, de 43 anos, estava sobre a calçada, próximo à Delegacia da Rocinha, favela na zona sul carioca, onde fazia entradas na segunda edição do jornal para relatar o dia de ocorrências de tiroteios da comunidade. Enquanto ele aguardava, um carro bateu em uma motocicleta na estrada Lagoa-Barra, que passa em frente à favela, e o veículo desgovernado atingiu a perna direita de Dennes. Ele quebrou a fíbula.

"Entrei no primeiro link e ia entrar de novo, dois minutos depois. Aconteceu tudo muito rápido. O motociclista foi atingido e, como tem dez anos de experiência com moto, reagiu e caiu no asfalto. A moto voou e me atingiu", contou o repórter ao UOL. "Estou bem na medida do possível. Tomando remédios para dor e anti-inflamatório, mas fica queimando o tempo todo", contou Dennes.

O repórter contou que não viu o acidente pois estava se preparando para entrar no ao vivo. Ele ouviu o motociclista gritar com o motorista que atingiu a moto e se virou. Nesse momento, a moto o atingiu.

"Foi livramento de Deus. Pela velocidade, pela força da batida, se pegasse minha cabeça... Graças a Deus [não pegou]", desabafou o repórter.

O cinegrafista que acompanhava Dennes não gravou o acidente porque esperava para entrar ao vivo no jornal.

Dennes foi atendido pelo Corpo de Bombeiros e por uma ambulância do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência). O motociclista, que sofreu escoriações com a queda, foi na mesma ambulância.

"Ele me pediu desculpas. Está desempregado, com a carteira [de habilitação] vencida e trabalha com a moto", disse o repórter, que aceitou o pedido de perdão do motociclista.

Com 11 anos de casa na Record Rio, Dennes disse que nunca sofreu algum tipo de acidente durante o trabalho. O que presenciou, há quase sete anos, foi a morte do cinegrafista Gelson Domingos da Silva, na favela de Antares, na zona oeste do Rio, que foi atingido por um tiro de fuzil.

 "No Rio não é uma moto que você pensa que vai te atingir", disse.