Topo

Orgulho e Paixão

Juliano Laham vibra com beijo em novela e rebate haters: "O amor é a cura"

Reprodução/TV Globo
Luccino e Otávio se beijam em "Orgulho e Paixão" Imagem: Reprodução/TV Globo

Guilherme Machado

Do UOL, em São Paulo

13/09/2018 09h11

Nesta quarta-feira (12) foi ai ar o primeiro beijo entre Luccino (Juliano Laham) e Otávio (Pedro Henrique Müller) em “Orgulho e Paixão”. Foi também o primeiro beijo entre dois personagens do mesmo sexo em uma novela do horário das 18h.

Juliano Laham conta como foi gravar a cena e sobre sua alegria com o momento.

"Foi normal como qualquer cena de amor, é assim que tem que ser. Torci muito para que os personagens fossem felizes juntos e realizassem os seus desejos", diz ele ao UOL.

Para ele, a cena representa um marco: "Avalio como algo positivo e necessário para nossa sociedade. Em pleno século 21 não deveríamos ter que estipular horários para demonstrar o amor entre duas pessoas do mesmo sexo. Foi um marco importante e estou muito feliz de poder representar contando essa história".

Logo que foi ao ar, a cena teve uma repercussão imediata, com muitos espectadores comemorando nas redes sociais. Porém, a exibição do beijo também recebeu críticas.

Juliano diz que não conseguiu acompanhar totalmente a repercussão, mas agradeceu as mensagens de carinho que recebeu.

"Não consegui acompanhar 100% da repercussão e dos comentários, mas pelo que tenho visto, são pessoas agradecidas por se sentirem representadas e famílias por compreenderem de que o amor é livre. Porém a homofobia ainda está muito presente e isso me entristece profundamente", declara ele.

Em recente entrevista ao UOL, o ator já havia contado que perdeu seguidores desde que começou a contar a história do personagem. Ele reforçou que continua perdendo, mas que prefere focar nos comentários positivos.

"Perdi [seguidores] e ainda continuo perdendo, mas isso não é significante perto do carinho que tenho recebido. Sobre os haters, respeito a opinião de qualquer ser humano, mas não tolero desrespeito. O amor é a cura", afirma.

Ele também espera que a cena tenha um impacto positivo: "Assim como vem sendo, muitas pessoas se sentindo representadas e famílias reconstruídas ao entenderem e respeitarem que o amor é um só, sem maiores julgamentos".