PUBLICIDADE
Topo

Televisão

Sem citá-lo nominalmente, atriz critica Bolsonaro em evento da Globo

Mariana Lima - AgNews
Mariana Lima Imagem: AgNews

Marcela Ribeiro

Do UOL, no Rio

17/09/2018 15h41

Mariana Lima está no elenco de "Assédio", que estreia nesta sexta (21) no Globoplay. A atriz aproveitou o evento de lançamento da série, nesta segunda nos Estúdios Globo, zona oeste do Rio, e ao relatar a temática da trama, criticou o candidato a presidência Jair Bolsonaro.

"É muito chocante porque a gente tem um candidato a presidência que promove o assédio, a violência, o racismo, o fascismo como um modo de vida. Hoje passar isso dá uma sensação de atualidade terrível, num país como o Brasil onde o assédio faz parte da nossa cultura", disse a atriz, que já se manifestou contra o candidato nas redes sociais.

Ela interpreta Glória , mulher do médico Roger Abdala (Antônio Caloni), que pouco antes de morrer de uma doença grave, acaba sabendo dos crimes de abuso sexual cometidos pelo marido em suas pacientes.

"Tenho duas filhas meninas e antes delas pegarem o ônibus para a escola eu falo: 'Cuidado, que com certeza vão ralar em vocês'. A gente passa a vida sendo assediada, isso faz parte da nossa cultura, então é um tema muito difícil. Isso pode ser visto de muitos aspectos, inclusive que você pode amar essa pessoa, como aconteceu com a minha personagem."

No evento, o elenco presente e a imprensa assistiram ao primeiro capítulo da série que mostra o médico abusando da paciente Stela (Adriana Esteves), quando ela estava desacordada após se submeter a um procedimento de fertilização.

"Vi pela segunda vez e fico chorando feito uma condenada. A dramaturgia já se apresentou como um bom desafio. Eu e a Paolla [Oliveira] tivemos que amar e respeitar um cara como o Roger. A gente saiu dos lados das vítimas pra vivenciar um lado família, amoroso", explicou Mariana.

A série, de Maria Camargo, é livremente inspirada no livro "A Clínica: A Farsa e os Crimes de Roger Abdelmassih", de Vicente Vilardaga. O médico abusou sexualmente de muitas pacientes enquanto estavam sob efeito de sedativos.

Televisão