PUBLICIDADE
Topo

Famosos

Mãe de Ludmilla defende a cantora sobre cobrança por posição política

Silvana Oliveira com Ludmilla - Divulgação
Silvana Oliveira com Ludmilla Imagem: Divulgação

Rodrigo Soares

Colaboração para o UOL

20/09/2018 13h30

Silvana Oliveira, mãe da cantora Ludmilla, saiu em defesa dela após os fãs cobrarem um posicionamento da cantora sobre a eleição nas redes sociais. Em um vídeo publicado no Instagram nesta quinta-feira (20), ela lembrou que o voto é secreto.

"Gente, eu não queria entrar nessa onda de votação, de quem vai votar em quem, mas isso já está me irritando. Quer dizer que a Ludmilla, a Anitta, como os demais artistas, são obrigados a dizer em quem vai votar? Gente, pelo amor de Deus! Se a Ludmilla comer cocô, a Annita e os demais, todo mundo vai comer? Se manquem! Parem com isso! Vão caçar o que fazer! Democracia!  Para de achar que Ludmilla e outros artistas precisam falar em quem vão votar, o voto é secreto ou vocês não sabem?" disparou.

No desabafo, Silvana citou Anitta, que na quarta-feira (19) também se queixou sobre a exigência dos fãs.

"Eu sou uma cidadã igual a vocês, eu trabalho pra caramba, eu pago os meus impostos. Como cidadã eu fiz o meu dever, eu pesquisei, eu li dentro do que eu acredito, tenho o meu candidato, mas, assim como vocês, eu também tenho o direito de ter o meu voto secreto. E eu não quero dar a minha posição política. Não é por eu ser uma artista e ter uma vida pública que sou obrigada a dizer qual é o meu voto. E não devo receber ameaças ou xingamentos por não falar publicamente sobre isso. Eu não sou obrigada a fazer campanha política pra ninguém pelo fato de eu ser uma pessoa pública", desabafou.

A cantora afirmou ser feminista e respeitar as sexualidades, mas que não vai deixar de seguir amigos por terem outra visão política.

"Respeito as diferenças, respeito para ser respeitada, mas estou me sentindo muito desrespeitada nesse momento por eu não poder exercer um direito que é meu. Eu respeito as pessoas, a coisa que eu mais falo sempre é o respeito, sou feminista, respeito as sexualidades, essa sou eu como pessoa. Não é xingando o seu familiar ou seu amigo, ou qualquer pessoa que pense diferente politicamente de você, que você vai conseguir mudar a realidade do nosso país. Eu não acho que esse seja o caminho. Vou sim continuar falando e tendo amigos de esquerda, de direita, do que for, porque eu respeito a opinião deles", declarou.

Por fim, Anitta pediu para que os fãs pensassem em seu voto e que ela não quer influenciar ninguém.

"Não gostaria de ser massacrada por pessoas, não deixar de falar com parentes ou amigos que pensem diferente sobre política, ou de ser massacrada por exercer o meu direito de não expor o meu voto. O que quero dizer é que gostaria que todo mundo votasse com consciência, estudasse e votasse no que acredita que é melhor dentro da sua crença do que é um país melhor, que vocês votem de acordo com isso. E não sou eu que vou conseguir dar esse caminho para vocês, eu não sou capaz disso. O que eu sei fazer eu faço. Vamos repensar o que a gente está fazendo com o outro", disse.

Antes,  a classe artística entrou em peso em uma campanha que viralizou nas redes sociais contra Jair Bolsonaro. Nela, atores, cantores e personalidades da mídia usam a frase "ele não" em referência ao candidato do PSL à presidência.

Fabio Assunção, Sasha, Deborah Secco, Letícia Colin, Júlia Lemmertz, Dado Dolabella, Maria Ribeiro e Vera Zimmermann são alguns dos famosos que aderiram ao movimento e que receberam ataques de eleitores do Bolsonaro.

Primeiramente boa tarde !!

Uma publicação compartilhada por Silvana (@silvanassoliveira) em

Famosos