PUBLICIDADE
Topo

Televisão

Eri Johnson chora ao apresentar "MasterChef" com merendeiras em TV pública

Eri Johnson se emociona durante o reality show "SuperMerendeiras", da TV Escola - Carlos Henrique Santos/Eye Photo Estudio
Eri Johnson se emociona durante o reality show "SuperMerendeiras", da TV Escola Imagem: Carlos Henrique Santos/Eye Photo Estudio

Paulo Pacheco

Do UOL, em São Paulo

28/09/2018 04h00

Nesta sexta-feira (28), o público terá mais uma opção de programa culinário na TV: "SuperMerendeiras", primeiro reality show da TV Escola, ligada ao Ministério da Educação. Na contramão de outras atrações do gênero, não tem grandes patrocinadores, pratos requintados nem prêmios robustos, como os R$ 200 mil para o vencedor do "MasterChef Profissionais", da Band.

Se falta ostentação, sobra emoção com a história das participantes. Dez cozinheiras da rede pública de ensino disputarão o prêmio de melhor merendeira do Brasil. Para vencer, as candidatas deverão mostrar que são capazes de preparar receitas nutritivas, sem desperdício de alimentos e respeitando o PNAE (Programa Nacional de Alimentação Escolar), que serve mais de 50 milhões de merendas para 46 milhões de alunos diariamente.

"Procuramos dar destaque às merendeiras. Muitas dessas crianças não têm nem o que comer em casa e só se alimentam na escola. Essas mulheres têm uma importância muito grande na educação e na memória afetiva dessas crianças. Propus fazer um programa porque ultrapassa o reality show e a gastronomia. É um reality social culinário", explica Claudio Jardim, diretor de programação da TV Escola) e idealizador do "SuperMerendeiras", em entrevista ao UOL.

O programa nasceu de duas edições do concurso "Melhores Receitas da Alimentação Escolar", promovido pelo FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação). Das 5 mil profissionais inscritas, a organização elegeu dez vencedoras, que depois foram chamadas para o "SuperMerendeiras". A cada semana, a melhor cozinheira faturará R$ 1 mil. Na final, a campeã levará R$ 15 mil. A segunda colocada ficará com R$ 7,5 mil. Os prêmios, embora sejam mais baixos do que os de outros realities, têm valor simbólico para as merendeiras, que se consideram vitoriosas só por representarem as colegas de todo o país.

"Elas se ajudam na própria competição. Em uma das provas, uma delas não conseguia fechar a panela de pressão e a companheira parou de fazer a comida para ajudá-la. Não há rivalidade. Todas as dez merendeiras, em um universo de 5 mil inscritas, já são vencedoras", conta o diretor da TV Escola.

Eri Johnson conversa com participante do reality show "SuperMerendeiras", da TV Escola - Carlos Henrique Santos/Eye Photo Estudio - Carlos Henrique Santos/Eye Photo Estudio
Eri Johnson conversa com participante do reality show "SuperMerendeiras", da TV Escola
Imagem: Carlos Henrique Santos/Eye Photo Estudio

Choro de Eri Johnson

O canal público decidiu chamar um ator para apresentar "SuperMerendeiras" porque queria alguém que interagisse com as candidatas além de apresentar. Eri Johnson foi o escolhido para comandar o reality, e o desempenho dele no comando da atração surpreendeu a direção da emissora.

"Tinha medo de que o Eri fosse assustar as merendeiras e deixá-las envergonhadas. Depois de uma hora, parecia que eles se conheciam havia dez anos. Foi uma interação maravilhosa. No terceiro episódio, o Eri já estava chorando com as eliminadas, porque elas são pessoas muito especiais", afirma Claudio Jardim.

Eri Johnson conversa com os jurados do reality show "SuperMerendeiras", da TV Escola - Carlos Henrique Santos/Eye Photo Estudio - Carlos Henrique Santos/Eye Photo Estudio
Eri Johnson conversa com os jurados do "SuperMerendeiras"
Imagem: Carlos Henrique Santos/Eye Photo Estudio
Eri Johnson admite ter se sensibilizado com as histórias de cada merendeira e a união delas durante as provas, especialmente nas eliminações: "Eu me emocionei várias vezes. Choro mesmo, não seguro. Ali não tinha como não chorar, porque quem não era eliminada ficava muito triste pela que ia embora, mas não fingiam porque não eram artistas. Era uma generosidade absurda. Diante disso, não tem como não se emocionar. Para elas, foi uma coisa fantástica, e para mim também".

Participante do "SuperChef Celebridades" em 2016, Eri Johnson voltou à Globo para competir no "Popstar". Para o ator, a experiência no "SuperMerendeiras" o ajudou a encarar a competição musical.

"As merendeiras não competiam uma contra a outra. Elas me ensinaram muito. A superação delas é individual, como acontece no 'Popstar'. Ter participado do 'SuperMerendeiras' antes do 'Popstar' foi fundamental para mim. Saí com a certeza de que a comida que eu comia na escola pública e pedia para repetir, e a relação com as merendeiras, que na minha época eu chamava de tia, só veio engrandecer, porque elas fazem com muito amor e carinho. Não tem como ser diferente, porque elas fazem para as crianças. Isso me tocou muito. Elas resgataram a minha infância", elogia o ator.

Jurados do "SuperMerendeiras" - Carlos Henrique Santos/Eye Photo Estudio - Carlos Henrique Santos/Eye Photo Estudio
Jurados do "SuperMerendeiras"
Imagem: Carlos Henrique Santos/Eye Photo Estudio
As receitas das provas serão avaliadas por três jurados, sendo dois especialistas em alimentação e educação, e um aluno do Ensino Médio de uma escola no Rio de Janeiro. São eles: a nutricionista Nathalia Silva Raposo Barreiros, mestre em Ciências da Saúde pela ENSP/Fiocruz,  e responsável técnica pelo Programa Nacional da Alimentação Escolar (PNAE) em Petrópolis (RJ); o chef de cozinha André Luiz da Silva, especialista em nutrição funcional; e o aluno Milton Carlos Espindola da Silva, de 19 anos, estudante da rede pública do município do Rio de Janeiro.

"SuperMerendeiras"

Estreia: 28 de setembro, às 21h, na TV Escola (canal 62.3 em São Paulo e 2.3 no Rio de Janeiro e em Brasília)

Exibição: Semanal, sempre às sextas-feiras

Reapresentações: Sábados, às 15h30 / domingos, às 18h

Televisão