PUBLICIDADE
Topo

Televisão

Murilo Couto lota teatro zoando eleição: "Fui chamado de reaça e comunista"

Murilo Couto se apresenta em espetáculo de stand-up comedy - Willian Abreu
Murilo Couto se apresenta em espetáculo de stand-up comedy Imagem: Willian Abreu

Paulo Pacheco

Do UOL, em São Paulo

04/10/2018 04h00

Humorista do "The Noite", Murilo Couto vive sua melhor fase na carreira: lidera a audiência no SBT, lota teatros e viraliza vídeos com piadas sobre política --o mais recente, sobre Anitta e #EleNão, acumula 2,7 milhões de acessos em uma semana; o canal no YouTube chegará a 1 milhão de inscritos.

O segredo? Murilo Couto não se posiciona politicamente, ao contrário de outros comediantes, como Gregorio Duvivier e Danilo Gentili, seu parceiro na televisão há oito anos. Em um vídeo zoando os debates eleitorais, ele diz que seria "top" Lula governar da cadeia e chama Bolsonaro de "tiozão do WhatsApp", entre outras zoeiras.

"Para mim é mais fácil, porque não quero influenciar ninguém para algum dos lados. Faz sentido o comediante de direita pegar pesado com a esquerda e o de esquerda pegar pesado com a direita. Eles querem influenciar a galera para votar em alguém. Eu só quero ver a treta, velho! Não me posiciono, só quero likes", explica Murilo Couto ao UOL.

O humorista de 30 anos está tão em cima do muro que o público tenta adivinhar para quem será o voto dele no próximo domingo. "Uma parte tem certeza de que sou Bolsonaro e outra parte tem certeza de que sou Lula. Aí é que eu gosto mesmo, aí deu certo", diz Couto, que aproveitará a política em alta para retomar seus shows em São Paulo, a partir desta sexta.

Humorista não vota há dez anos

Murilo Couto em seu espetáculo de stand-up comedy - Reprodução/Instagram/murilocouto - Reprodução/Instagram/murilocouto
Murilo Couto em seu espetáculo de stand-up comedy
Imagem: Reprodução/Instagram/murilocouto
Nem adianta apostar no candidato de Murilo Couto. O humorista não vota desde quando deixou Belém, sua cidade natal, e se mudou para o Rio de Janeiro. Há oito anos, mora em São Paulo, mas nunca transferiu seu título de eleitor.

"Não tenho [candidato]. Se fosse votar, anularia. Mas não preciso, meu título é de Belém. Há dez anos não voto e nunca me senti tão bem. É muito bom não votar. Só vou lá dar uma justificadinha e já era. Nunca tive vontade, 'meu Deus, preciso transferir meu título para me manifestar'. Eu sou burrão, entendeu? Não tem como eu tomar uma decisão certa", analisa.

Sem candidato nem ideologia, Murilo Couto transitou entre a direita e a esquerda em nome da zoeira. O humorista fez parte de grupos de WhatsApp que destilavam ódio com notícias falsas e integrantes que o chamavam, simultaneamente, de "reaça" e "comunista". Decidiu sair, mas hoje se arrepende porque renderia ótimas piadas.

"Eu estava em grupos de extrema-direita e extrema-esquerda ao mesmo tempo, e eu ficava só lendo a galera. Achava legal porque os dois eram bem parecidos, cada um defendia coisas opostas usando 'fake news' do mesmo jeito. Fãs do Bolsonaro me chamavam de 'comunista do The Noite', porque fazia piadas defendendo maconha e gays e zoando aborto. E nos outros grupos eu era 'reaça'. Era legal", lembra.

Mais famoso do que em "Malhação"

Fiuk e Murilo Couto em "Malhação" (2009) - Reprodução/Instagram/murilocouto - Reprodução/Instagram/murilocouto
Fiuk e Murilo Couto em "Malhação" (2009)
Imagem: Reprodução/Instagram/murilocouto
Murilo Couto se vê em melhor fase do que quando atuou em "Malhação" ao lado de Fiuk. O stand-up o levou para a Globo, mas após o fim da novela ele preferiu arriscar no "Agora É Tarde", talk show de Danilo Gentili na Band.

"Olhando para a carreira, acho que é a melhor hora minha mesmo. Na época de 'Malhação', cheguei a fazer teste para o 'Zorra' e para 'Os Caras de Pau', e também fiz teste para o Danilo. Pela liberdade e por ser de um comediante de stand-up, achei que era uma boa ideia. Mas tinha tudo para dar errado, minha avó ficou puta", conta.

Há cinco anos no SBT, Murilo Couto comemora a boa fase do "The Noite", batendo no Ibope sua antiga emissora. "Nossas vitórias eu devo a uma pessoa: Pedro Bial. Agradeço a ele pelo trabalho que vem realizando por nós", brinca.

Televisão